Polémica na bancada do CDS: oposição a Cristas prefere ficar fora do Parlamento

Apesar de ser crítico da atual líder do CDS, recusa a vaga a deixada por Filipe Lobo d’Ávila, por sentir que “não ter condições politicas”.

Raul Almeida não vai ocupar o lugar de Filipe Lobo d’Ávila, como deputado do CDS. Em declarações ao jornal “Expresso”, o centrista aponta as mesmas razões que levaram à saída do ex-deputado, para a sua tomada de decisão. “Não mudou nada”, não tendo também garantias “que viesse a sentir a liberdade que ele sentiu”. Para repetir o mesmo, não valeria a pena”, afirma.

Raul Almeida era o candidato nas listas do CDS, para suceder a Filipe Lobo d’Ávila, isto porque, os deputados e candidatos a deputados, que fazem parte da oposição a Assunção Cristas preferiram ficar de fora do Parlamento.

Outras das razões indicadas para esta decisão, devem-se a “não ter condições políticas” e também pelo facto de trabalhar numa empresa privada, e desse modo “não depender de cargos políticos”, bem como poder “valorizar a sua liberdade”.

Todos estes motivos foram apresentados ao líder parlamentar do CDS, Nuno Magalhães, e ao próprio Filipe Lobo d’Ávila, com quem há dois anos havia apresentado em conjunto uma moção de estratégia global, no congresso onde Assunção Cristas acabaria por ser eleita, como líder do CDS.

Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários