Polícia Judiciária fez buscas às instalações da ADSE em Lisboa

A Unidade Nacional contra a Corrupção (UNCC) da Polícia Judiciária realizou na segunda-feira buscas às instalações da ADSE em Lisboa, confirmou à Lusa fonte da PJ.

pj madeira

Segundo a revista “Sábado”, o presidente demissionário do sistema de saúde dos funcionários público (ADSE), Carlos Liberato Baptista, está a ser investigado por suspeitas de corrupção, que resultam de uma denúncia que chegou ao Ministério Público sobre alegados pagamentos encobertos como contrapartida para a assinatura de convenções entre a ADSE e clínicas privadas.

Carlos Liberato Batista demitiu-se em abril, alegando “motivos pessoais”, dias antes de a TVI emitir uma reportagem que levantou suspeitas sobre a sua gestão na Associação de Cuidados de Saúde da antiga Portugal Telecom.

Ministério Público disse, no início de maio, que estava a decidir se iria realizar uma auditoria ao subsistema de saúde dos funcionários públicos, como tinha sido pedido por Carlos Baptista.

“O Ministério Público encontra-se a recolher elementos com vista a decidir se há procedimentos a desencadear no âmbito das respetivas competências”, informou na altura o MP, numa resposta escrita enviada à agência Lusa.

Carlos Liberato Baptista tinha pedido à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) uma auditoria ao tempo em que presidiu ao subsistema de saúde dos funcionários públicos.

A Lusa tentou contactar Carlos Batista, mas não foi possível em tempo útil.

Ler mais
Recomendadas

Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

Estado não cumpre pagamentos de indemnizações por falta de dotação orçamental

Estado devia ter pago 18 milhões de euros em indemnizações mas só pagou pouco mais de sete mil euros, no final de 2018, por decisões na Justiça. Relatório revelou que dotação orçamental é insuficiente para cumprir com os pagamentos das indemnizações.

Tribunais afastaram 64 políticos e gestores em oito anos

Em 2012 e 2013 verificou-se o maior número de perdas de mandato (seis) e destituições (cinco), escreve o JN.
Comentários