Politico: “Portugal de António Costa tem demasiadas coisas boas”

Politico salienta as boas notícias que têm chegado sobre a economia portuguesa. No entanto, adverte que o governo está a ficar sob pressão dos sindicatos e dos partidos à esquerda do PS.

O governo de António Costa volta a estar nas bocas do mundo, ou melhor, nos meios de comunicação internacional. Desta vez, é o Politico que dedica um artigo ao primeiro-ministro socialista intitulado “Portugal de António Costa tem demasiadas coisas boas”.

O Politico diz que “pesquisas frequentemente mostram que os portugueses rivalizam com os gregos e os búlgaros pelo título de pessoas mais sombrias da Europa”, acrescentando “no entanto, desde que o primeiro-ministro António Costa assumiu o cargo há 18 meses, parece que a terra do fado e a saudade têm recebido “comprimidos felizes”.

O meio de comunicação descreve as boas notícias que têm chegado da economia, nomeadamente a saída de Portugal do Procedimento por défice excessivo ou os números do desempenho. Não exclui das conquistas portuguesas a vitória no Festival Europeu da Canção ou Portugal ter conseguido eleger António Guterres para secretário-geral das Nações Unidas.

Recupera ainda os dados do último eurobarómetro que indicam que 66% dos portugueses se diz satisfeito com a vida que levam, o dobro dos números quatro anos antes.

No entanto, salienta também que “à medida que os dados positivos surgem, o governo vai ficando sob pressão dos sindicatos e da esquerda para acelerar uma recuperação das medidas de austeridade”.

Realça que o governo sabe que a economia “continua frágil e vulnerável a choques externos”.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários