Portugal aproveita descida dos juros para emitir dívida a 10 anos

Estes leilões acontecem numa altura em que as taxas de juro estão a cair no mercado secundário e apenas dois dias antes da agência de notação financeira Fitch rever o rating de Portugal.

D.R.

O Tesouro volta esta quarta-feira aos mercados para emitir até 1.250 milhões de euros em dívida de médio prazo. A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, o IGCP, deverá conseguir condições de financiamento favoráveis, a beneficiar do recente alívio nos juros negociados no mercado secundário.

Por volta das 10h30, o IGCP vai realizar dois leilões de Obrigações do Tesouro (OT) com maturidades em 17 de outubro de 2022 e em 14 de abril de 2027. Os leilões de dívida a cinco e 10 anos acontecem numa altura em que os juros da dívida nacional estão já longe dos 4% que ameaçaram no início do ano.

Portugal tem beneficiado de um reforço da confiança no país, bem como da diminuição do risco na zona euro. No mercado secundário, as taxas de juros benchmark, ou seja a 10 anos, caíram ontem para próximo de 2,94%. Já no prazo a cinco anos, os juros rondaram os 1,34%.

No último leilão de OT com as mesmas maturidades, que aconteceu a 10 de maio, o IGCP emitiu o montante máximo indicativo – 1.250 milhões de euros – com taxas de juro mais baixas do que em anteriores leilões.

Nessa altura, o IGCP emitiu 632 milhões de euros em OT a 10 anos, tendo pago uma taxa de colocação foi de 3,386%. Na maturidade mais curta, o Tesouro emitiu 618 milhões de euros em OT a cinco anos e conseguiu uma taxa de colocação de 1,828%. A procura na maturidade benchmark foi de 1,92 vezes a oferta e de 2,03 vezes nas bonds a cinco anos.

Estes leilões acontecem apenas dois dias antes da agência de notação financeira Fitch rever o rating de Portugal. Atualmente em BB+, ou seja no primeiro nível de ‘lixo’, é pouco provável que o rating da República seja alterado na próxima sexta-feira já que tem perspetiva estável. No entanto, a Fitch poderá premiar Portugal com uma revisão em alta do outlook.

Ler mais

Relacionadas

Economista Daniel Bessa não acredita na subida do rating do país

Antigo ministro da Economia de António Guterres afirma que, sem um controlo efetivo da dívida pública, não há razões para o país sair da condição de ‘lixo’.

BdP: Economia tem melhores perspetivas mas persistem riscos para a banca nacional

O elevado endividamento do setor público e dos privados e o baixo crescimento potencial da economia portuguesa continuam a representar riscos para a estabilidade financeira, referiu o Banco de Portugal no seu Relatório de Estabilidade Financeira.

Compra de Obrigações portuguesas pelo BCE cai para novo mínimo em maio

No mês passado, a instituição liderada por Mario Draghi diminuiu o ritmo da compra total de ativos da zona euro para 60 mil milhões de euros por mês. O valor das bonds portugueses caiu para um novo mínimo de sempre: 504 milhões euros, longe do pico de há um ano.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários