Portugal aumenta importações de derivados da carne para 181 milhões de euros

A balança comercial do setor dos derivados da carne apresentou um défice superior a 77 milhões de euros em 2017. Aumento das importações e diminuição das exportações explicam evolução, diz Informa D&B.

Aly Song/Reuters

No ano passado, Portugal importou 181 milhões de euros de derivados de carne em 2017, um aumento de 11% em relação a 2016 e que contrasta com a diminuição em 16% das exportações nesse período, que se ficaram pelos 104 milhões. Contas feitas, a balança comercial do setor dos derivados da carne apresentou um défice superior a 77 milhões de euros, revela um estudo publicado pela Informa D&B nesta terça-feira, 27 de março.

Segundo a Informa D&B, este valor representa o aumento da diferença entre as importações e exportações que tinha vindo a diminuir na primeira metade da década, tendo passado de 61 milhões em 2010 para 19 milhões em 2015.

O valor de produção no setor dos derivados de carne também sofreu uma diminuição de 0,5%, estado agora nos 970 milhões de euros, alterando a tendência de “moderado crescimento”  registada no biénio 2013-2016.

Segundo o estudo sectorial “Derivados de Carne”, a  propensão para exportar rondou os 11% em 2017, face aos 14% contabilizados em 2014. As importações, por sua vez, representaram cerca de 17% das vendas no mercado interno (15,8% em 2015).

A Informa D&B faz ainda a radiografia deste sector:  emprega 6.814 trabalhadores; predominam pequenas produtoras, com 77% das 480 empresas a empregar menos de uma dezena de funcionários e apenas 23 com mais de 50 assalariados.

O estudo salienta ainda que a atividade produtiva em 2015 se concentrava, principalmente, na zona Norte (38%) e Centro do país (27%), com a zona do Algarve a ter ainda 21% dos fabricantes.

Ler mais
Relacionadas

Guerra comercial preocupa “seriamente” empresas portuguesas

O setor do aço e alumínio em Portugal poderá sofrer o impacto das subidas nas tarifas às importações nos EUA. Para a economia, o efeito deverá ser limitado.

Taxas alfandegárias dos EUA são “absolutamente injustificadas”, realça António Costa

Primeiro-ministro referia-se à decisão do governo norte-americano de aplicar taxas alfandegárias de 25% sobre as importações de aço e de 10% sobre as de alumínio.
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários