Portugal e Cabo Verde assinam acordo de cooperação na Economia Azul

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, e o ministro da Economia Marítima de Cabo Verde, José da Silva Gonçalves, assinam acordo de cooperação na Economia Azul.

Portugal e Cabo Verde assinaram um memorando de cooperação na Economia Azul, numa cerimónia com a presença da ministra do Mar de Portugal, Ana Paula Vitorino, e do ministro da Economia Marítima de Cabo Verde, José da Silva Gonçalves, que decorreu em Lisboa.

De acordo com o Executivo português, o acordo, neste fim-de-semana, define o “âmbito e as formas de cooperação com Cabo Verde nos domínios tecnológico e dos sistemas de informação utilizados nos portos para o transporte marítimo e intermodalidade, apoio técnico na valorização do pescado, na área da aquacultura, prospeção de novas espécies, assistência técnica e formação em várias áreas, bem como apoio na organização de eventos relacionados com o mar”.

O acordo assinado visa “estreitar ainda mais as relações entre os dois países no domínio do mar, dando continuidade à cooperação que tem vindo a ser desenvolvida neste âmbito”.

E prevê o entendimento entre o Governo dos dois países na finalização do modelo operacional da Escola do Mar de Cabo Verde, na capacitação técnica dos cursos de formação de marítimos e de mestres de pescas tendentes à certificação marítima.

O Governo liderado por António Costa explicou que o acordo é celebrado, tendo em conta o interesse no reforço das relações de cooperação entre os dois países no domínio da economia marítima e no Programa Estratégico de Cooperação Portugal – Cabo Verde 2017-2021, enquanto documento enquadrador das actividades de cooperação para o desenvolvimento.

 

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários