Portugal e o ‘medo’ de uma bolha imobiliária. Como a imprensa espanhola analisa mercado português

O ‘El Economista’ alerta os investidores que o preço da habitação em Portugal já é de modo a que se multipliquem os alertas para o risco de sobrevalorização do mercado.

O ‘El Economista’ decidiu analisar o mercado imobiliário português, tendo por base o pressuposto de que o Banco de Portugal recomendou aos bancos que tivessem cuidado com a proliferação do crédito hipotecário. A recomendação tem por base o facto de o crédito para compra de habitação ter voltado já a ser uma aposta da banca nacional – e se os ‘spreads’ de antigamente (que chegaram a estar bem abaixo de 1%) já não passam de uma doce recordação, a verdade é que os pedidos para aquele tipo de empréstimos voltaram a disparar.

Por enquanto, “o emissor limitou-se às recomendações para que os bancos endurecessem seus critérios na concessão de uma hipoteca, mas deixou claro que, se as regras que entraram em vigor este mês não forem respeitadas, elas se tornarão obrigatória”, escreve o jornal espanhol na sua versão online.

“A medida, avançada em um tom de cautela em vez de alarme, visa evitar que os bancos assumam riscos desnecessários e garantir que os clientes são capazes de pagar as suas dívidas, num país ainda a braços uma das maiores proporções de crédito malparado na Europa (13% no primeiro trimestre) ”.

Diz a publicação que os créditos não podem exceder 90% do valor e terão uma duração máxima de 30 anos e que, mais especificamente, o Banco de Portugal recomendou que novos empréstimos sejam concedidos apenas aos clientes que vão gastar até um máximo de 50% de sua renda mensal para pagar todos os encargos decorrentes da operação de crédito.

Além disso, o Banco de Portugal aconselha a que os empréstimos tenham uma duração máxima de 40 anos, prazo que deve ser reduzido até atingir uma média de 30 anos até o final de 2022.

Essas medidas são “muito contidas e que os principais bancos já estavam a colocá-las em prática”, disse à agência EFE, citada pelo «El Economista’, o diretor de vendas da XTB, Eduardo Silva, lembrando que nenhuma entidade bancária demonstrou preocupação com as intenções do Banco de Portugal.

As recomendações foram bem recebidas pelas autoridades internacionais e os técnicos da Comissão Europeia que visitaram Portugal na última missão de avaliação após o resgate elogiou a iniciativa, “tendo em conta a continuação da expansão do setor imobiliário e o reforço do crédito às famílias”.

A verdade é que, desde que o banco abriu o mercado de empréstimos para habitação após a crise, a concessão de empréstimos não mostrou sinais de desaceleração. Os dados mais recentes do Banco de Portugal indicam que, entre janeiro e maio, foram concedidos 3.794 milhões de euros nesse tipo de crédito, 23,4% mais que no mesmo período de 2017.

Ler mais
Recomendadas

Três Dolce Vita colocados à venda por 15 milhões de euros

Em todos os casos, caso não hajam ofertas superiores ao valor mínimo, serão admitidas propostas mais baixas.

Savills fica responsável pela gestão do edifício Atlas III

Atlas III, em Miraflores, é o mais recente empreendimento sob a gestão da Savills.

Dona da Comporta estuda “projeto estratégico” a preços acessíveis no Parque das Nações

A Vanguard Properties quer construir três prédios no total, com o valor do investimento a rondar os 30 a 35 milhões de euros.
Comentários