Portugal está nas bocas do mundo

O apetite pela “oportunidade Portugal” tem-se generalizado a vários setores da economia nacional

Portugal está na mira de investidores estrangeiros, apetite em muito alimentado pelas recentes e diversas conquistas internacionais e pelas medidas de promoção do nosso País. Todos os anos Portugal é palco de inúmeros eventos que contribuem para esta projeção internacional. Em 2016, Portugal recebeu, pela primeira vez, o Web Summit, uma das maiores conferências de tecnologia a nível mundial, que atraiu para Lisboa mais de 50 mil pessoas e, em 3 dias, captou para a economia nacional algo como 200 milhões de euros. Em 2017 já recebeu o Papa Francisco, já ganhou um festival da canção e já se prepara para acolher tantos outros eventos que nos colocarão, uma vez mais, na boca do mundo.

O apetite pela “oportunidade Portugal” tem-se generalizado a vários setores da economia nacional. Já não é só o Turismo que atrai ao nosso País capitais estrangeiros existindo um interesse diversificado e generalizado pela nossa economia. Esta realidade traduz-se ano após ano no crescimento da atividade de M&A. Olhando para os primeiros quatro meses do ano, ocorreram 95 transações*, das quais 35 com valores acumulados que excedem 8,4 mil milhões de Euros (aumento de 315% face ao período homólogo).

A confiança no nosso país está a crescer e é alimentada, de acordo com o EY’s Attractiveness Survey, pela estabilidade social e pelo nível de competências laborais que os investidores percecionam e os faz olhar para o nosso país como uma oportunidade de investimento com um prazo bem mais longo do que o dos eventos que o promovem.
Na EY vivemos este momento de projeção do país e de captação de interesse e de capitais estrangeiros diariamente. Somos recorrentemente abordados por investidores internacionais que procuram oportunidades em diversos sectores com o intuito de alargar a sua abrangência geográfica e participarem neste momento de prosperidade e crescimento económico que Portugal atravessa. Quer através da abertura de capital a novos acionistas, quer através de estratégias de “desinvestimento para (re)investir” no core, este é, sem dúvida, um período de excelência para as empresas portuguesas crescerem e se tornarem mais competitivas.

* Fonte: TTR

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (Convites, newsletters, estudos, etc), por favor Clique aqui

Recomendadas

Vídeos sapo

vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo vídeos sapo

O “novo” regime de dedução de gastos de financiamento líquidos – questões práticas

O regime de dedução de gastos de financiamento líquidos (“GFL”), em traços gerais, limita a dedução daqueles gastos para efeitos do apuramento do lucro tributável, em sede de IRC, até ao maior de dois patamares: Euro 1.000.000 ou 30% do resultado antes de depreciações, amortizações, GFL e impostos, ajustado para efeitos fiscais (“EBITDA fiscal”). A […]

Fatores que contribuem para o sucesso de uma transação

Num contexto de dinamismo no mercado de Fusões e Aquisições (M&A) em Portugal, e como profissionais na área, temos assistido a que, por vezes, a falta de preparação e experiência das estruturas acionistas, especialmente em PME (que muitas vezes são estruturas familiares), condicionam o sucesso de uma transação. Nesse sentido, gostaríamos de elencar alguns dos […]
Comentários