Portugal registou melhor resultado de sempre na transposição de diretivas

Comissão Europeia publicou o “Painel de Avaliação do Mercado Único” do ano de 2017, onde Portugal surge com um défice de 0,4%, um valor bastante abaixo dos 0,9% da média europeia, sendo o quarto melhor registo entre os 28 Estados-Membros.

Portugal obteve o melhor resultado da sua história no que diz respeito à transposição de diretivas. O relatório denominado “Painel de Avaliação do Mercado Único” publicado no passado dia 11 de julho, pela Comissão Europeia mostra que o país atingiu um défice de 0,4%, um número abaixo da restante média europeia situado nos 0,9%.

No ano passado Portugal reduziu de forma considerável o número de diretivas com transposição em atraso passando de 35 para apenas quatro, o que corresponde a uma diminuição de 88%. Estes números colocam o país como o quarto melhor registo entre os 28 Estados-Membros.

Uma “reviravolta notável” segundo a Comissão Europeia. “Há um ano, Portugal era o Estado-Membro com o maior défice de transposição e com o aumento mais acentuado do mesmo. Atualmente, é o Estado-Membro que regista a maior diminuição (88 %) e um dos défices mais baixos (quarta posição). Além disso, atingiu o seu melhor resultado de sempre, juntamente com três outros Estados-Membros”.

No primeiro semestre deste ano o Governo português aprovou a transposição de 24 diretivas europeias, 11 sob a forma de proposta de lei (que se encontram todas na Assembleia da República) e 13 sob a forma de decreto-lei (que já foram todos publicados).

Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários