Portugal vai pagar 2.600 milhões de euros ao FMI até agosto

O ministério das Finanças anunciou, em comunicado, que reembolsou esta sexta-feira mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional e que fará um novo pagamento nos próximos dois meses.

Cristina Bernardo

Portugal fez esta sexta-feira um reembolso antecipado ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e fará outro pagamento até agosto, segundo anunciou o ministério das Finanças em comunicado.

A tranche paga hoje foi de mil milhões de euros, referentes a um empréstimo com maturidade entre junho e outubro de 2019. Nos próximos dois meses, as Finanças planeiam pagar mais 2.600 milhões de euros, antecipando as amortizações do empréstimo que vencia até abril de 2020.

“O plano de amortizações antecipadas do FMI continuará a ser implementado em 2018 fazendo parte do programa de financiamento da República”, garantem as Finanças.

Segundo o ministério liderado por Mário Centeno, estão neste momento garantidas cerca de 40% das necessidades de financiamento de 2018, incluindo quatro mil milhões de euros de pagamentos ao FMI.

“O reembolso antecipado ao FMI contribui decisivamente para a melhoria da sustentabilidade da dívida, reduzindo o custo desta e permitindo, simultaneamente, uma gestão dos pagamentos mais equilibrada e o aumento da maturidade média”.

O anúncio dos dois reembolsos à instituição acontecem no mesmo dia em que o FMI apresentou relatório relativo à missão a Lisboa realizada entre 19 e 29 de junho, no qual realçou o cenário positivo da economia no portuguesa no curto prazo.

“O outlook de curto prazo de Portugal fortaleceu consideravelmente, suportado por um acelerar do investimento e pelo crescimento contínuo das exportações à medida que a recuperação na zona euro tem ganho momentum”, refere o relatório, adiantando que o país tem mostrado “progresso louvável” na redução dos riscos de curto prazo.

Ler mais
Relacionadas

“Maior crescimento desde a adesão ao Euro”: Costa reage a previsão do FMI

Se Portugal terminar o ano com a economia a crescer 2,5%, como prevê o FMI, esse será “o maior crescimento” do país “desde a adesão ao Euro”, comentou o primeiro-ministro.

Finanças: “resultados do FMI assentam na mudança estrutural em curso”

O Governo agradeceu também o trabalho da Função Pública e sublinhou o papel na preparação e participação nas consultas técnicas do Fundo.

FMI aplaude progressos e diz que meta do défice pode ser atingida “confortavelmente”

Crescimento de 2,5% e défice de 1,5% este ano – o FMI afirma que as perspetivas de curto prazo da economia portuguesa melhoram. Do lado dos alertas, diz que o crescimento sustentado e corte da dívida são essenciais, especialmente quando as condições monetárias mudarem.
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários