Portugal vai apresentar no Canadá primeiras medidas para a descarbonização dos transportes

A Aliança para a Descarbonização dos Transporte foi lançada a 24 de maio, e quer ser “o fórum mundial mais visível e influente de cooperação pública e privada, para garantir que todos os setores dos transportes contribuem para os objetivos do Acordo de Paris”.

Portugal foi ao Canadá apresentar as quatro primeiras medidas tomadas pela Aliança para a Descarbonização dos Transportes (TDA, na sigla em inglês), um movimento criado na semana passada, em Leipzig, durante o Fórum Internacional dos Transportes (ITF).

As primeiras decisões da TDA passam por ações de lobbying e de vincar posições junta de organizações internacionais. Assim, como explica o Ministério do Ambiente português, em comunicado, o movimento irá tomar posição junto da Comissão Europeia sobre o novo regulamento que estabelece as regras de emissões para veículos ligeiros de passageiros e comerciais.

De seguida, a TDA iniciará um processo de advocacia eficaz nas Nações Unidas, Comunidade Europeia, C40, G7 e G20, “para demonstrar que a descarbonização dos transportes é tecnicamente viável, economicamente apelativa e capaz de proporcionar benefícios sociais e ambientais, ao partilhar as melhores práticas”.

No Canadá, o secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Gomes Mendes, vai dizer também que a TDA já selecionou a primeira “Comunidade de Interesses”, que será dedicada à “Logística Urbana Verde” e terá a coordenação da Holanda. Depois, está já em preparação o “Roteiro TDA para a Descarbonização dos Transportes”, que será apresentado na primeira semana de setembro.

Estas iniciativas vão ser apresentadas na Movin’On – Conferência Mundial sobre Mobilidade Sustentável, que decorre em Montreal até sexata-feira, dia 1 de junho.

 

 

TDA como forum mundial

A Aliança para a Descarbonização dos Transporte foi lançada a 24 de maio, durante o Fórum Internacional dos Transportes (ITF), que se realizou em Leipzig, na Alemanha, com a presença do Secretário de Estado Adjunto e do Ambiente e ‘chairman’ da TDA, José Gomes Mendes, da Ministra dos Transportes da Finlândia, Anne Berner e representantes dos países, cidades e empresas que a compõem.

A TDA é composta atualmente por seis países (Costa Rica, Finlândia, França, Luxemburgo, Holanda e Portugal), cinco cidades (Roterdão, Lisboa, Porto, Gaia, Matosinhos), seis empresas (Alstom, CEiiA, EDP, ITAIPU Binacional, Michelin, e PTV).

“Os membros da TDA comprometem-se a trabalhar em conjunto para acelerar a descarbonização do setor de transportes, cujas emissões provocadas correspondem a 25% das emissões totais de gases com efeito estufa, contribuindo, assim, para o cumprimento do Acordo de Paris para as Alterações Climáticas, que ambiciona uma economia com emissões líquidas zero na segunda metade do século”, destaca o Ministério do Ambiente.

O mesmo documento aponta que “é ambição da TDA tornar-se o fórum mundial mais visível e influente de cooperação pública e privada, para garantir que todos os setores dos transportes contribuem para os objetivos do Acordo de Paris”.

“A Aliança para a Descarbonização dos Transportes baseia-se nos compromissos e na ambição assumida por chefes de Estado, presidentes de Câmara e CEO, numa iniciativa inédita, que junta num esforço comum e coordenado países, cidades e empresas, de descarbonizar os transportes antes de 2050, visando as emissões de todos os meios de transporte de passageiros e de mercadorias, incluindo transportes terrestres, aéreos e marítimos”, conclui o referido comunicado.

 

Ler mais
Recomendadas

Governo disponibiliza 600 mil euros para apoiar agricultores de Mação, Vila de Rei e Sertã

Esta decisão decorre da publicação, hoje, em Diário da República, de um despacho que reconhece este incêndio como “catástrofe natural”.

Fundo Ambiental vai aplicar um milhão de euros na adaptação às alterações climáticas

Proteção ao litoral, na recuperação de solos e na reabilitação da rede hidrográfica são algumas das áreas em que o Fundo Ambiental poderá conceder apoio financeiro.

Parlamento recomenda ao Governo declaração do estado de urgência climática

Foi publicada nesta segunda-feira, 29 de julho, a resolução da Assembleia da República que recomenda ao Executivo de António Costa que assuma o compromisso de promover a máxima proteção de pessoas, economias, espécies e ecossistemas, e de restaurar condições de segurança e justiça climáticas.
Comentários