Possível nova negociação entre EUA e China para acordo comercial sustenta Wall Street

O financeiro S&P 500 somou 0,49% para 2.816,21 pontos; o industrial Dow Jones avançou 0,44% para 25.418,10 pontos; e o tecnológico Nasdaq ganhou 0,55% para 7.671,79 pontos.

Crash de 25% em Wall Street

Os principais índices de Wall Street fecharam a sessão desta terça-feira em alta, sustentados com notícias de que os Estados Unidos e a China poderão iniciar novas negociações com o objetivo de chegar a acordo face às tensões comerciais entre os dois países.

O financeiro S&P 500 ganhou 0,49%, para 2.816,21 pontos; o industrial Dow Jones fechou a somar 0,44%, para 25.418,10 pontos; e o tecnológico Nasdaq avançou 0,55%, para 7.671,79 pontos.

Esta quarta-feira, no primeiro dia de agosto, nos EUA, deverão entrar em vigor novas tarifas alfandegárias sobre a importação de produtos chineses, que ascenderão aos 16 mil milhões de dólares. As novas tarifas fazem parte do último pacote de medidas sobre taxas aduaneiras que garantirão 50 mil milhões de dólares aos EUA, depois de no ínicio de julho terem sido impostas taxas adicionais sobre os produtos importados da China, no valor de 34 mil milhões de dólares.

Relacionadas

Guerra comercial: EUA e China querem encetar novas negociações

Steve Mnuchin, representante do secretário de Estado do Tesouro, e o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, têm estabelecido contactos privados para encetar novas negociações comerciais entre os dois países. Tensão entre os dois países tem criado distúrbios na economia mundial.

Como Juncker conseguiu vencer a Trump, segundo o antigo economista-chefe do FMI

Simon Johnson elogia a capacidade do presidente da Comissão Europeia de relançar o debate sobre uma espécie de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP), um projeto de Obama, suspenso após a tomada de posse de Trump.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários