PPM fala em retrocesso da Madeira quando “culpa os outros pelas desgraças da Região”

O dirigente do PPM Madeira diz que os fundos vindos do Continente e da União Europeia serviram “para sustentar apenas um núcleo muito restrito” da Região.

O PPM Madeira afirmou que quando se cria um clima em que as desgraças do que se passa na Região são dos outros, entre os quais a República, é “um retrocesso que deveria envergonhar quem fala em mudança”.

O dirigente do PPM Madeira, João Noronha, diz que que sempre que a Região necessita do Continente este “nunca nos falhou ou tentam não falhar” e pede que se explique à população “para onde vai realmente o dinheiro enviado do Continente e da União Europeia”.

João Noronha defende que o Continente “nunca tratou a Região da forma que alguns políticos regionais querem dar a entender por razões meramente de aproveitamento político”.

“É sempre mais fácil culpabilizar o outro, que nesta situação é responsabilizar o governo central pelas incompetências do governo regional”, realça o dirigente do PPM Madeira.

João Noronha diz ainda que o dinheiro do Continente e da União Europeia serviram para “sustentar apenas um núcleo muito restrito” da Região acrescentando que se assiste “ao enriquecimento de poucos em detrimento de uma subida galopante da miséria de grande parte dos cidadãos” e fala ainda do “regresso do ferry cedido por interesses que o governo regional sempre nos habitou”.

Recomendadas

PremiumO Vinho Madeira que passa de geração em geração desde 1850

O maior desafio do Vinho Madeira é aumentar a produção das castas nobres Sercial, Verdelho, Boal, Malvasia e Terrantez, e diminuir a produção da Tinta Negra, “que já é excessiva”, diz Pereira de Oliveira.

PremiumDireito ainda está “fora de questão” mas “poderia reter” estudantes na região

Para já, não está em cima da mesa a criação de uma licenciatura em Direito na UMa, mas o reitor José Carmo diz que o curso tem procura local.

PremiumO valor do patrocínio num evento como o Rali Vinho Madeira

O Rali Vinho Madeira é um evento que ao longo dos anos tem atraído milhares às estradas madeirenses. Mas nem só de público vive esta prova de desporto motorizado. O patrocínio é outras das vertentes que sustenta e ajuda a levar cada edição a bom porto. Entre os patrocinadores estão marcas e empresas como a MEO e o BPI.
Comentários