Precisamos de um acordo sobre serviços financeiros

O Reino Unido quer negociar com a UE um acordo comercial ambicioso que inclua os serviços financeiros, salvaguardando ao mesmo tempo a estabilidade financeira.

O Lord Mayor da City de Londres, Charles Bowman, visitou Lisboa no passado dia 5 de Março. Como porta-voz principal da City e da indústria de serviços financeiros e profissionais do Reino Unido (RU), Charles Bowman veio a Lisboa reiterar o apoio da City a uma relação económica estreita entre RU e a UE no futuro e, em particular, a um acordo sobre serviços financeiros.  Descreveu a City como “uma jóia europeia”, onde se encontram sediados mais de 250 bancos estrangeiros e onde ocorre quase 80% do comércio de divisas internacionais, a somar ao facto de 30% de todos os empréstimos bancários na UE passarem pelo RU. Desmantelar este eficiente centro financeiro global que é a City traria custos adicionais para as empresas, para os consumidores e para as famílias europeias.

Dois dias depois, o ministro das Finanças Philip Hammond fez um importante discurso em que definiu a sua visão para a futura parceria entre RU e UE em matéria de serviços financeiros.  Quando deixarmos o Mercado Único, as empresas financeiras com sede no RU perderão os seus direitos de “Passporting”. Em alternativa, pretendemos negociar com a UE um acordo comercial ambicioso que inclua os serviços financeiros, salvaguardando ao mesmo tempo a estabilidade financeira.

Em determinada altura, foi sugerido que poderíamos alcançar este objectivo recorrendo ao regime de equivalência da UE para países terceiros. Mas tal seria inadequado dada a escala e complexidade do comércio de serviços financeiros entre o RU e a UE.  É unilateral, não abrange muitas áreas críticas e pode ser revogado com pouca ou nenhuma antecedência. Em vez disso, o ministro Hammond propõe o seguinte:

1. Partindo de uma posição de total alinhamento regulamentar, devemos criar um diálogo estruturado sobre regulamentação para debater as novas regras propostas por cada uma das partes, de forma a garantir soluções regulamentares equivalentes.  E gostaria de sublinhar que não há no RU qualquer vontade de nivelar por baixo em matéria de regulamentação; aprendemos essa lição com a crise.

2. Será necessária uma cooperação contínua em matéria de supervisão, através de uma estreita relação de trabalho com as agências de supervisão da UE, e através de uma troca de informações proactiva e abrangente.

3. No caso de uma das partes optar por não manter soluções regulamentares equivalentes, teremos de estabelecer procedimentos institucionais claros para gerir as consequências, garantindo que essas opções regulamentares sejam razoáveis ​​e proporcionais, e aplicadas de uma forma previsível. Este processo exigirá um mecanismo de arbitragem independente que tenha a confiança de ambas as partes.

Para concluir diria que, da nossa perspectiva, incluir os serviços financeiros no acordo sobre a futura relação entre Reino Unido e UE, é não apenas possível, mas também desejável.

A autora escreve de acordo com a antiga ortografia.

Recomendadas

Já foi mais fácil ser banqueiro

A manutenção dos juros baixos obriga os bancos a enfrentar os crescentes desafios das ‘FinTech’ e da digitalização numa posição desconfortável, a perder negócio e com as margens sob pressão.

Matérias inflamáveis

Os ‘três F’ – futebol, fado e Fátima – que sobreviveram à queda do anterior regime como símbolos da pacificação dos portugueses – deveriam na verdade ser quatro. Quem tenta tirar ou perturbar as nossas férias está a brincar com coisas sérias. Em ano de eleições, era expectável que a habitual silly season que costuma […]

De Blade Runner ao algoritmo das emoções

O rápido progresso em ‘machine learning’ deveria ir além do mercantilismo puro e refletir sobre o grande arco moral, ético, filosófico e sociológico das nossas proezas como criadores.
Comentários