Preço do azeite sobe com queda de 36% na produção

Apesar do aumento dos preços ao nível dos produtores, promoções nos supermercados e a decisão de algumas cadeias de distribuição de absorver parte do agravamento dos custos tem minimizado o impacto para os consumidores.

Os preços do azeite começaram a subir em Portugal entre 15 e 18% para os produtores devido a uma queda na produção, segundo noticia o ‘Diário de Notícias’. A seca provocou uma diminuição na quantidade de azeite produzida em Portugal de cerca de 36,4%, sendo que foram produzidas 69,3 mil toneladas de azeite em 2016/17, menos 39,7 mil toneladas do que na campanha anterior, segundo informações da secretária-geral da Casa do Azeite.

“Os preços começaram a subir antes do verão para valores de produção a rondar os quatro euros por quilograma”, explicou Mariana Matos, secretária-geral da Casa do Azeite, que representa 90% do volume de azeite embalado, em entrevista ao DN. “O consumo do azeite tem-se mantido constante, mas houve uma forte quebra na produção. Um fenómeno a nível mundial”, explicou.

O azeite virgem subiu em abril para 3,60 euros/kg, ou seja mais 18,8%, enquanto no caso do virgem extra o aumento foi de 15,6% para 3,84 euros/kg. Apesar do aumento dos preços ao nível dos produtores, promoções nos supermercados e a decisão de algumas cadeias de distribuição de absorver parte do agravamento dos custos tem minimizado o impacto para os consumidores.

Recomendadas

Makro reforça ligação a empresários de hotelaria e restauração

O objetivo da cadeia grossista é reforçar a relação com os seus clientes, donos de negócios próprios, dando visibilidade a empresários do setor hoteleiro e da restauração a nível nacional, de forma a promover a gastronomia em Portugal.

Produtores nacionais de carne fresca de aves já podem exportar para o Chile

O Ministério da Agricultura considera que este país sul-americano é um importante mercado, com um potencial de 17 milhões de consumidores, que recebe, pela primeira vez, exportações de carne fresca de aves nacionais.

Greve de motoristas: CAP defende “tratamento separado”

“Era preferível que não houvesse greve. Mas se houver greve, queremos que o setor da agricultura tem de ter um tratamento completamente separado”, defendeu há minutos, Eduardo Oliveira e Sousa, presidente da CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal, em entrevista à SIC Notícias, sobre a greve dos camionistas de matérias perigosas agendada a partir […]
Comentários