Preços das casas vendidas em Portugal subiram 9,2% no ano passado

O ritmo de crescimento do Índice de Preços da Habitação (IPHab) acelerou 2,1 pontos percentuais, em média anual, face ao verificado em 2016.

Cristina Bernardo

Os preços de venda de habitação em Portugal aumentaram 9,2% no ano passado, face a 2016, para o nível mais alto desde, pelo menos, janeiro de 2009, segundo os dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

O ritmo de crescimento do Índice de Preços da Habitação (IPHab) acelerou 2,1 pontos percentuais, em média anual, face ao verificado em 2016.

Esta evolução é explicada por uma aceleração de 1,7 pontos percentuais do passo no segmento de habitações existentes, para 10,4%, e por um incremento de 2,3 pontos percentuais na taxa de variação média anual dos preços do segmento de habitação nova, para 5,6%.

Relacionadas

Imobiliário: cada vez mais espaços comerciais são vendidos para habitação

A diminuição do preço do imóvel é o principal atrativo. Contudo, a obtenção de novas licenças de utilização é, na maioria dos casos, respponsabilidade de quem compra.

Saiba onde é mais barato (e mais caro) comprar casa em Portugal

Os dados disponibilizados pelo Instituto Nacional de Estatística identificam uma lista de 41 municípios onde o preço médio de venda das casas fica acima do valor nacional.

Crescimento dos custos de construção de habitação desacelerou para 1,4% em janeiro

Com esta evolução, os custos de construção de habitação nova encontram-se ao nível mais elevado desde o início da série, em janeiro de 2000.
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários