Prejuízo de 40,7 milhões da SAD do FCP é “conjuntural e atípico”

A SAD do FC Porto anunciou um prejuízo de 40,7 milhões de euros no exercício da época de futebol 2013/14, que os seus administradores consideram “conjuntural e atípico”. O administrador para a área financeira da SAD dos dragões, Fernando Gomes, justificou os números negativos com os maus resultados desportivos da época passada e o não-registo […]

A SAD do FC Porto anunciou um prejuízo de 40,7 milhões de euros no exercício da época de futebol 2013/14, que os seus administradores consideram “conjuntural e atípico”.

O administrador para a área financeira da SAD dos dragões, Fernando Gomes, justificou os números negativos com os maus resultados desportivos da época passada e o não-registo de cerca de 25 milhões de euros correspondentes às transferências dos jogadores Mangala e Defour, que apenas podem ser contabilizados no exercício em curso.

Além das verbas alcançadas com a transferência dos dois passes para o Manchester City e Anderlecht, respetivamente, também os 10 milhões de euros da presença da Liga dos Campeões só serão contabilizados no atual ano desportivo, como obrigam as regras da UEFA, já que o FC Porto não garantiu a presença na prova antes de 30 de julho, conseguindo-o apenas em agosto, após a disputa de um play-off de acesso.

“O Mundial de futebol trouxe sérios reflexos às contas”, disse o dirigente, durante a apresentação das contas no pavilhão Dragão Caixa, explicando assim, por exemplo, a resolução dos contratos com os dois jogadores referidos, ambos envolvidos na prova que decorreu no Brasil.

Ora, manda o rigor contabilístico, as regras da UEFA e a entidade reguladora – a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) – que os valores das transferências, assim como o prémio de presença na Champions seja apenas registado nas contas do corrente exercício, “no qual o FC Porto já tem garantidos esses 35 milhões de euros”, disse o responsável.

“Financeiramente, não temos problemas a enfrentar”, reforçou o administrador”, para quem a incorporação dessa verba no atual exercício “é um bom indicador para apresentar bons resultados”.

Segundo os dados anunciados pela SAD, “o resultado líquido consolidado é negativo em 40,701 ME, o que é bastante inferior ao obtido no período homólogo, em que foi positivo em 20,356 ME, principalmente devido à diminuição dos resultados com passes de jogadores”.

O mesmo relatório refere que, “ainda que o resultado de exploração seja negativo, a sociedade continua dentro do valor recomendado pela UEFA para o rácio salários versus proveitos operacionais (…), apresentado um valor na ordem dos 67%”, sendo que o limite é de 70%.

Por outro lado, justificou o recente aumento de capital da SAD numa perspetiva de antevisão “destes resultados negativos”, o que teria de ser realizado até 31 de dezembro “para que o FC Porto não seja penalizado em função do “fair-play” financeiro”.

 

OJE/Lusa

Ler mais
Recomendadas

Arranca hoje a corrida do FC Porto pela Champions de olho em encaixe de 44 milhões

Sérgio Conceição e os seus homens estão a, pelo menos, 360 minutos de distância de poderem engordar a conta bancária dos azuis e brancos de forma generosa. Este encaixe financeiro é visto como fundamental pela SAD portista. 

Benfica celebra parceria com Placard por três anos

O Sport Lisboa e Benfica acaba de celebrar uma parceria com o Placard.pt que, nos próximos três anos, será o patrocinador oficial de apostas desportivas do clube. Segundo um comunicado do clube da Luz, “o Placard.pt marcará presença relevante tanto no ‘site’ oficial, como nas várias plataformas digitais do Benfica, sendo que ambas as entidades […]

Estádio do Estrela da Amadora na Reboleira vai a leilão por seis milhões de euros

No decorrer de um processo de insolvência do Estrela da Amadora, foi fundado um novo clube, o Clube Desportivo Estrela, que usa as instalações da Reboleira.