Prémios de Seguros de Crédito e Caução crescem 2,2% e 5,4% em 2017

No caso dos seguros de caução (equivalente a garantias prestadas por instituições financeiras) os membros da ICISA reportaram em 2017 um crescimento nos prémios, de mais 5,4% no total de 4,9 biliões de euros, bem como no valor das garantias concedidas, a ascenderem aos 690 biliões de euros (+3,7%), diz a associação em comunicado.

Peter Nicholls/Reuters

Os membros da International Credit Insurance & Surety Association (ICISA) – associação que engloba as empresas líderes mundiais de Seguro de Créditos e Caução, da qual a COSEC é membro – reuniram-se em Estocolmo para a 76ª Reunião Geral Anual, para debater as principais tendências e desenvolvimentos da indústria e do mercado.

No caso dos seguros de caução (equivalente a garantias prestadas por instituições financeiras) os membros da ICISA reportaram em 2017 um crescimento nos prémios, de mais 5,4% no total de 4,9 biliões de euros, bem como no valor das garantias concedidas, a ascenderem aos 690 biliões de euros (+3,7%), diz a associação em comunicado. Também neste sector se verificou um decréscimo no valor das indemnizações pagas, que atingiram o montante de 770 milhões de euros, uma quebra de -2,2% em relação ao mesmo período do ano passado, adiantam.

Ao nível do produto seguro de créditos comerciais, a associação reportou um aumento da exposição para o valor de 2,4 triliões de euros, o que representa um crescimento de 3,7% face ao mesmo período do ano passado, acompanhado pelo incremento de 2% do volume de prémios, num total de 6,1 biliões de euros.

“O maior incremento da exposição face aos prémios evidencia uma redução do pricing médio, em resultado direto do período de menor sinistralidade que o setor atravessa, com indemnizações pagas no ano passado no valor de 2,8 biliões de euros, menos 1,5% que em igual período”, diz a ICISA.

No entanto,”perspetiva-se a curto-prazo algum agravamento dos riscos e, de acordo com o presidente da ICISA, Patrice Luscan, o sector já está a inverter a tendência de redução do pricing em resultado de uma maior consciencialização do agravamento do risco”, adiantam.

“O mercado dos seguros de caução tem evoluído favoravelmente, seguindo as tendências económicas e a recuperação da indústria de construção. Esta evolução favorável reflete-se num aumento de subscrição de apólices e em rácios de sinistros mais reduzidos para a maioria dos membros”, explica Kay Scholz, vice-presidente da ICISA na mesma nota de imprensa.

Recorde-se que a COSEC, seguradora líder em Portugal nos ramos de Seguro de Créditos e Caução, e membro da ICISA, em 2017, “garantiu vendas no seguro de créditos valor de 17,2 mil milhões de euros, o equivalente a 9% do PIB português e um crescimento de cerca de 10% face ao mesmo período do ano passado, acompanhado de uma sinistralidade muito contida”, diz o comunicado.

No que diz respeito ao seguro caução, “a COSEC, sustentada por uma grande dinâmica no novo negócio, registou no ano passado um crescimento significativo do volume de prémios (+27%), com um aumento de 10% das garantias cobertas no montante de cerca de 270 milhões de euros”, lê-se no documento.

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários