Presidente da comissão instaladora do fomento quer bater a porta

O presidente da comissão instaladora do banco de fomento, Paulo de Azevedo, já comunicou ao Governo que não pretende continuar à frente da instituição criada para melhorar o financiamento às PME, escusando-se a explicar as razões para a saída. Em declarações à Lusa, o gestor disse que já manifestou mais do que uma vez “a […]

O presidente da comissão instaladora do banco de fomento, Paulo de Azevedo, já comunicou ao Governo que não pretende continuar à frente da instituição criada para melhorar o financiamento às PME, escusando-se a explicar as razões para a saída.

Em declarações à Lusa, o gestor disse que já manifestou mais do que uma vez “a indisponibilidade para fazer parte dos órgãos sociais da Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD)”, conhecida como banco de fomento, recusando-se a comentar a experiência à frente da comissão instaladora, bem como as razões que o levam a querer sair.

“Nesta fase não queria dizer mais nada”, declarou, adiantando apenas que “a comissão instaladora cessa imediatamente funções com a nomeação dos órgãos sociais da IFD, que tem todas as autorizações para a sociedade ser constituída e para a nomeação dos respetivos órgãos sociais”.

Em fevereiro, o ministro da Economia, Pires de Lima, disse a alguns órgãos de comunicação nacionais que tinha feito o convite a Paulo de Azevedo para ficar no banco de fomento depois de a instituição estar operacional.

A comissão instaladora do IFD é liderada pelo antigo diretor-geral do Millennium investment banking Paulo de Azevedo Pereira da Silva e tem como vogais Carla Chousal, ex-administradora da RTP e do BPI, e Nuno Miguel Soares, que também integrou a direção do BCP.

A Comissão Europeia aprovou na terça-feira a criação de uma Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD) em Portugal, por considerar que este banco de fomento permitirá melhorar o acesso das PME ao financiamento, sem violar as regras comunitárias da concorrência.

O executivo comunitário decidiu conceder esta aprovação até 31 de dezembro de 2020, por entender que “o mercado de financiamento das PME e, em especial, o âmbito das falhas de mercado podem evoluir”, e admite desde já prorrogar este prazo, na sequência de uma nova avaliação.

 

OJE/Lusa

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?