Presidente da Fosun diz que desconhece motivo da queda das ações

A Fosun diz desconhecer o motivo de queda das ações. Segundo o FT as autoridades chinesas estão preocupadas com o aumento da desvalorização da moeda chinesa e querem reduzir as compras milionárias por parte de empresas nacionais a outros países.

Em comunicado ao mercado, a que o Jornal Económico teve acesso, a Fosun veio dizer que “a empresa não tem qualquer informação que deva ser anunciada para evitar a especulação no mercado dos valores mobiliários, nem qualquer informação privilegiada que precise de ser revelada no âmbito da leis  de Hong Kong. As operações da empresa permanecem as habituais”.

Um dado relevante é que o comunicado ao mercado é assinado pelo presidente (Chairman) da Fosun, Guo Guangchang.

Este comunicado emitido para esclarecer os investidores surge depois de notícias que dão conta que a autoridades da China investigam exposição bancária da Fosun e dos chineses da TAP.

Segundo o Financial Times o regulador para a banca chinês, o China Banking Regulatory Commision (CBRC), está a investigar o “risco sistémico” que os empréstimos de vários bancos chineses a grandes empresas portuguesas podem representar para a economia do país. As autoridades chinesas estão preocupadas com o aumento da desvalorização da moeda (o yuan) e querem reduzir as compras milionárias por parte de empresas nacionais a outros países.

Contas feitas, a compra de ativos no mercado externo por empresas chinesas nos últimos três anos, desde 2014, soma um investimento de 60 mil milhões de dólares (quase 54 mil milhões de euros).

Segundo avança o jornal britânico ‘Financial Times’, em causa estão os “métodos financeiros criativos” usados nas compras feitas pelos conglomerados de investimento Fosun (maior accionista do BCP em Portugal), HNA Group (empresa chinesa que detém parte da ações da TAP), Dalian Wanda Group e Zhejiang Rossoneri, assim como da seguradora Anbang (que queria comprar o Novo Banco).

O jornal escreve que a investigação pode estar relacionada com questões políticas, tendo em conta que estas empresas têm uma forte presença nos diferentes quadrantes políticos. A investigação acontece depois de o presidente do Anbang, Wu Xiaohui, ter sido detido no início de junho por suspeitas de corrupção e manipulação do mercado.

A investigação já fez afundar de algumas destas empresas em bolsa na abertura da sessão desta quinta-feira. A Fosun International chegou a cair 9,6% na bolsa de Hong Kong e a Dalian Wanda chegou a tombar 9,9% na bolsa de Shenzen esta quinta-feira.

Ler mais
Relacionadas

Ordem de controlo a investimentos exteriores arrasta Fosun na bolsa e contagia BCP

As companhias chinesas que têm investimentos no estrangeiro vão ficar sujeitas a maior controlo de liquidez e isso está a afectar na bolsa todas as empresas chinesas com fortes investimentos internacionais, como é o caso da Fosun, da Dalian Wanda (imobiliário), a companhia aérea HNA e a seguradora Angbang.
Recomendadas

Indústria Alimentar: o caminho da digitalização

No contexto da Indústria Alimentar, as organizações para se adaptarem necessitam de investir, e, atualmente, as tecnologias digitais chave passam pela: Robótica, Serviços móveis, Tecnologia Cloud, Internet-of-Things, Cibersegurança, Big Data e Analítica avançada, Impressão 3D, Inteligência Artificial e Social Media. Os consumidores, também eles cada vez mais nativos digitais, ditam tendências e as indústrias adaptam-se, quer […]

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.

Procrastinação ou a coragem de mudar

É preciso saber e decidir sem vacilar. Caso contrário, faremos parte das fotos guardadas no baú. Para mais tarde recordar.
Comentários