Presidente da República acredita que Orçamento do Estado para 2019 vai ser “aprovado sem problema”

“Como tenho dito, aquilo que sinto e que penso, na base da realidade política portuguesa, é de que o Orçamento do Estado para 2019 será aprovado sem problema”, afirmou hoje Marcelo Rebelo de Sousa, em Marvão, distrito de Portalegre.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse hoje acreditar que o Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) vai ser “aprovado sem problema”.

“Como tenho dito, aquilo que sinto e que penso, na base da realidade política portuguesa, é de que o OE2019 será aprovado sem problema”, afirmou o Presidente da República, em Marvão, no distrito de Portalegre.

Antes de assistir a um concerto no Festival Internacional de Música do Marvão (FIMM) e após uma receção ao corpo diplomático em Portugal, nesta sede de concelho alentejana, o Chefe de Estado disse também aos jornalistas ter “boas” expectativas sobre os encontros com os partidos que estão agendados para 30 e 31 deste mês.

“Eu tenho boas [expetativas]. Claro que é, não direi uma rotina, mas é um hábito adquirido, ouvi-los periodicamente. Não tem nada de dramático, precisamente a ideia é desdramatizar, ouvi-los serenamente sobre as perspetivas no futuro imediato”, acrescentou.

Questionado sobre a notícia de hoje do semanário Expresso que refere que o orçamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS) “é o mais baixo dos últimos 15 anos”, Marcelo Rebelo de Sousa escusou-se a comentar diretamente.

Mas, segundo o Presidente da República, o SNS “será o grande tema de debate na execução do Orçamento [do Estado] atual, neste segundo semestre, e depois na preparação do OE para o ano que vem”.

“E penso que aí, obviamente, haverá um debate muito interessante sobre esse tema, uma vez que a saúde é uma prioridade social para todos os portugueses”.

O Chefe de Estado disse ainda esperar que, no OE2019, o SNS “tenha a atenção que corresponde à vontade de todos, Governo e oposição”, assim como de “todos os portugueses”.

“Penso que há aí há um consenso nacional”, sublinhou Marcelo Rebelo de Sousa.

As alegadas falhas no Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) foi outro dos assuntos sobre o qual Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações aos jornalistas, preferiu não se pronunciar, limitando-se a afirmar que está a iniciar-se uma fase do combate aos incêndios que “exige congregação de todas as iniciativas e de todos os esforços”.

“Portanto, tudo o que seja especular, introduzir ruído nesta fase, não faz sentido”, frisou.

Quanto à greve dos professores às avaliações finais dos alunos, sobre a qual também foi questionado pelos jornalistas, o Chefe de Estado limitou-se a lembrar que “está a decorrer um prazo, até ao final do mês, que é considerado fundamental, quer por professores, quer por diretores de escola”, sendo “prematuro” qualquer comentário.

A 5.ª edição do FIMM, que arrancou na sexta-feira, prolonga-se até ao próximo dia 29, inclui 40 concertos, que envolvem 300 músicos de 20 nacionalidades, assim como conferências, iniciativas para crianças ou encontros gastronómicos.

Segundo o Presidente da República, que já no ano passado visitou o FIMM, trata-se de “um festival espetacular, de nível europeu e mundial”, para o qual convidou este ano o corpo diplomático representado em Portugal, para que os embaixadores possam “admirar o que é num concelho lindíssimo”.

Ler mais
Relacionadas

Tancos: Presidente preocupado quer “esclarecimento cabal” sobre material roubado

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, reafirmou hoje “a exigência de esclarecimento cabal” do ocorrido com o desaparecimento de armamento em Tancos, há um ano, e manifestou “preocupação”.
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários