Presidente da República lamenta morte de Rui Osório

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou hoje a morte do cónego Rui Osório, elogiando o dom da comunicação que “pôs ao serviço do bem comum”.

Cristina Bernardo

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou hoje a morte do cónego Rui Osório, elogiando o dom da comunicação que “pôs ao serviço do bem comum”.

Numa nota publicada na página da Presidência da República, o chefe de Estado enalteceu o “homem da Igreja e do Jornalismo, com uma carreira de décadas no Jornal de Notícias e na Rádio Renascença” e “fundador da Voz Portucalense”.

“O padre Rui Osório, desde há muito um amigo pessoal, foi também um combatente pela Liberdade, discípulo de D. António Ferreira Gomes, perseguido pela Polícia Política antes do 25 de Abril”, observou.

No livro “O Senhor escreva connosco”, por ocasião do 50.º aniversário da sua ordenação, o cónego “agradeceu ao Espírito Santo o dom da Comunicação”.

“Um dom que pôs ao serviço do bem comum e que fica na memória dos seus leitores e ouvintes, dos paroquianos da Foz Velha, dos amigos”, elogiou.

O Presidente da República, na mesma nota, “envia a todos, bem como à família, os seus mais sentidos pêsames”.

O jornalista e cónego Rui Osório morreu hoje aos 77 anos. O funeral está agendado para as 15:00 de sexta-feira, na sé do Porto, com o bistpo do Porto, Manuel Linda, a presidir às celebrações.

Formado em jornalismo em Espanha, Rui Osório ingressou no Jornal de Notícias após o 25 de abril e chegou a chefe de redação.

Ler mais
Relacionadas

Morreu o jornalista e padre Rui Osório

Rui Osório foi jornalista profissional depois do 25 de Abril. Aos 65 anos reformou-se e estreou-se como pároco na Foz Velha.
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários