Presidente da República recusa comentar polémica de Barreiras Duarte mas defende necessidade de “partidos fortes”

Marcelo Rebelo de Sousa recusou hoje comentar a polémica em torno do currículo do secretário-geral do PSD, Feliciano Barreiras Duarte, mas sublinhou que neste momento, a cerca de um ano das eleições, “é muito importante que haja partidos fortes”. O Presidente da República falava aos jornalistas durante uma visita à “Futurália”, uma feira de Educação e Formação.

O Presidente da República recusou hoje comentar a polémica em torno do currículo do secretário-geral do PSD, Feliciano Barreiras Duarte, mas sublinhou que neste momento, a cerca de um ano das eleições, “é muito importante que haja partidos fortes”. Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas durante uma visita do chefe de Estado à “Futurália”, uma feira de Educação e Formação, que decorre na FIL, em Lisboa.

Questionado sobre a polémica em torno do secretário-geral do PSD, Feliciano Barreiras Duarte, o Presidente da República começou por dizer que não se iria pronunciar sobre a vida partidária, recusando dizer se a nova direção do partido presidido por Rui Rio está fragilizada.

“Aquilo que eu disse sempre e que volto a dizer é que é muito importante que haja partidos fortes e é muito importante agora que estamos praticamente a um ano e um mês das primeiras eleições que, quer os partidos da área do Governo quer os da oposição estejam fortes”, sublinhou Marcelo.

O semanário “Sol” noticiou hoje que Feliciano Barreiras Duarte teve de retificar o seu currículo académico para retirar o item que o indicava como professor convidado (“visiting scholar”) na Universidade de Berkeley, na Califórnia, Estados Unidos.

Na terça-feira, a Procuradoria-Geral da República remeteu para inquérito no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa os elementos que recolheu sobre o caso. “Na sequência de notícias vindas a público, a Procuradoria-Geral da República procedeu à recolha de elementos. Esses elementos foram encaminhados para o DIAP de Lisboa com vista a inquérito”, revelou a PGR, em resposta à agência Lusa, sem adiantar mais pormenores.

À noite, em comunicado, o secretário-geral do PSD reiterou que “nada fez de errado” e que irá “esperar serenamente” os resultados do inquérito aberto pela Procuradoria-Geral da República ao caso do seu currículo.

Hoje surgiu uma nova polémica, com o Observador a noticiar que Feliciano Barreiras Duarte, durante pelos menos os nove anos em que esteve na Assembleia da República, a morar em Lisboa, recebeu um subsídio de ajudas de custo e despesas de deslocação, como se vivesse no Bombarral, onde moram os seus pais. Entretanto o secretário-geral do PSD veio dizer que tinha no Bombarral a sua morada fiscal.

Ler mais
Relacionadas

Além do CV, Barreiras Duarte também terá mentido na morada fiscal

O Observador escreve que Feliciano Barreiras Duarte deu, no Parlamento, a morada de casa dos pais no Bombarral, enquanto vivia na Avenida de Roma, em Lisboa. Ao longo de dez anos, beneficiou de subsídios de transporte, mas o secretário-geral do PSD diz que até perdeu dinheiro.

Feliciano Barreiras Duarte reitera que “nada fez de errado” e aguarda investigação da PGR

“Nada fiz de errado no chamado processo de Berkeley; todos os movimentos e ações relacionados com esse caso estão devidamente documentados e são inequívocos quanto à minha inocência”, realça o secretário-geral do PSD em comunicado.

Ministério Público abre inquérito a falso currículo de Feliciano Barreiras Duarte

A PGR confirmou ao Jornal Económico que remeteu “elementos” sobre o currículo do secretário-geral do PSD para o DIAP de Lisboa. Objetivo: a abertura de um inquérito.
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários