PREVPAP integra 610 trabalhadores precários

O Ministério do Interior emitiu um comunicado em que informa a integração na Autoridade Nacional de Proteção Civil de trabalhadores da Força Especial de Bombeiros e nos comandos de operações de socorro.

No âmbito do Programa de Regularização dos Vínculos Precários da Administração Pública (PREVPAP), foi homologado o parecer da Comissão de Avaliação relativo à Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), com vista à integração de 610 trabalhadores em situação precária, refere em comunicado o Ministério da Administração Interna.

“A ANPC vai agora proceder à abertura dos respetivos procedimentos concursais para a integração destes 610 trabalhadores que prestam serviço na Força Especial de Bombeiros e nos Comandos Nacional e Distritais de Operações de Socorro (operadores de telecomunicações), operacionais que há vários anos desempenham funções essenciais ao sistema de proteção civil, sem o adequado vínculo laboral”, diz ainda o comunicado.

Esta regularização dos trabalhadores precários da administração pública, “que tem sido uma das prioridades do Governo” – mas que tem igualmente sido alvo de críticas por parte da oposição e até dos partidos que suportam o executivo no parlamento – “vem dignificar o estatuto profissional destes trabalhadores, que são parte fundamental na estrutura da proteção civil, quer na resposta permanente a situações de emergência, com destaque para o combate a incêndios florestais, quer para assegurar as comunicações em situações de acidente grave e catástrofe e o despacho de meios dos agentes de proteção e socorro”.

Só na administração central, o PREVPAP teve mais de 30 mil candidaturas de trabalhadores a recibos verdes, com contratos emprego-inserção ou a termo certo e estagiários que consideram estar a assegurar funções permanentes nos serviços públicos.

Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários