Prisão preventiva para seis elementos de rede de droga em Torres Vedras

O juiz de instrução criminal do Tribunal de Torres Vedras decidiu hoje aplicar a prisão preventiva a seis dos oito elementos de uma rede de tráfico de droga desmantelada pela GNR em Torres Vedras e Mafra, distrito de Lisboa.

O juiz de instrução criminal do Tribunal de Torres Vedras decidiu hoje aplicar a prisão preventiva a seis dos oito elementos de uma rede de tráfico de droga desmantelada pela GNR em Torres Vedras e Mafra, distrito de Lisboa.

Fonte da GNR disse à agência Lusa que, dos oito arguidos, entre os 30 e os 55 anos, os seis homens vão aguardar julgamento em prisão preventiva, enquanto uma das mulheres fica em prisão domiciliária e outra com apresentações trissemanais na força policial da área de residência.

Os oito arguidos, já referenciados por tráfico de produtos estupefacientes, foram detidos na noite de segunda-feira por suspeitas de tráfico de estupefacientes e branqueamento de capitais e começaram a ser ouvidos no Tribunal de Torres Vedras na terça-feira para primeiro interrogatório, que só hoje terminou.

Numa operação desenvolvida durante quase 24 horas, envolvendo mais de 70 militares, a GNR apreendeu cerca de 103 mil euros em dinheiro e 161 doses de cocaína, que valeriam mais de seis mil euros no mercado ilícito.

A mesma fonte explicou à agência Lusa que foi detido o alegado cabecilha da rede, assim como os seus colaboradores, alguns dos quais seus familiares, a quem eram distribuídas tarefas específicas.

Entre elas estavam a aquisição de produto estupefaciente, a preparação e o acondicionamento, a venda a consumidores e o branqueamento dos lucros financeiros provenientes da atividade ilícita.

Uma das mulheres era responsável por “fazer depósitos e investir o dinheiro na aquisição de bens, como viaturas e apartamentos”.

Com a ação, a GNR acredita ter desmantelado esta rede de tráfico, que se dedicava a vender estupefacientes a consumidores na zona costeira dos concelhos de Torres Vedras e Mafra.

Foram ainda apreendidos 1.328 doses de haxixe, 12 doses de canábis, uma arma, 14 telemóveis, dezenas de cartões de telemóvel, cinco computadores e três ‘tablets’, uma mota, cinco veículos, vários extratos bancários, sacos de transporte de dinheiro, cinco balanças de precisão e vários objetos utilizados na preparação, cultivo e acondicionamento da droga.

Os suspeitos estavam a ser investigados há cerca de um ano, pelo que durante a operação foram cumpridos 11 mandatos de busca domiciliária e 18 mandatos de busca não domiciliária, naqueles dois concelhos e ainda em Peniche (distrito de Leiria).

A ação foi desenvolvida pelo Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento Territorial da GNR de Torres Vedras e, além da investigação criminal, contou com a colaboração de equipas cinotécnicas, operações especiais, ordem pública, intervenção rápida, territorial e recolha de prova digital, num total de 70 militares.

Ler mais
Recomendadas

Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

Estado não cumpre pagamentos de indemnizações por falta de dotação orçamental

Estado devia ter pago 18 milhões de euros em indemnizações mas só pagou pouco mais de sete mil euros, no final de 2018, por decisões na Justiça. Relatório revelou que dotação orçamental é insuficiente para cumprir com os pagamentos das indemnizações.

Tribunais afastaram 64 políticos e gestores em oito anos

Em 2012 e 2013 verificou-se o maior número de perdas de mandato (seis) e destituições (cinco), escreve o JN.
Comentários