Professores e governo têm hoje o ‘Dia D’

Os sindicatos apelam aos professores e educadores para que marquem presença em frente ao Ministério da Educação em apoio das suas propostas, durante a reunião desta quarta-feira.

As estruturas sindicais dos professores ASPL, FENPROF, FNE, Pró-ordem, SEPLEU, SINAPE, SINDEP, SIPE, SIPPEB e SPLIU reúnem esta quarta-feira à tarde, 11 de julho, no Ministério da Educação, na que já é considerada um dos mais importantes embates entre sindicatos e Ministério desate legislatura. Sobre a mesa estará o principal ponto de discórdia entre as parte, o descongelamento das carreiras  docentes, alterada, segundo os sindicatos, em nove anos, quatro meses e dois dias de congelamento.

A FENPROF, maior sindicato do setor, afeto à CGTP, fez saber que para a mesa das negociações levará outras matérias, como a necessidade de ser criado um regime de aposentação que contrarie o curso de envelhecimento da profissão docente, medidas que permitam atenuar o profundo desgaste que afeta os profissionais e, ainda, medidas que combatam o elevado nível de precariedade que continua a afetar este setor profissional.

Em relação à recomposição da carreira docente, em particular no que respeita à recuperação do tempo que esteve congelado, a FENPROF reitera que “só estará disponível para negociar o que a Lei do Orçamento do Estado estabelece como devendo ser negociado: o prazo e o modo. Quanto ao tempo a recuperar, sobre isso nada há para negociar: é todo”.

A Associação Sindical de Professores Licenciados (APSL), outra das estruturas presentes na reunião, espera “maior abertura e flexibilidade negocial por parte da tutela”, designadamente no que diz respeito à recuperação de todo o tempo de serviço congelado, aos horários de trabalho e ao regime de aposentação dos professores, considerando o desgaste e envelhecimento da classe.

“Quando inquiridos sobre a ação reivindicativa, os professores e educadores responderam estar ao lado dos seus sindicatos, apoiando a luta que tem vindo a ser desenvolvida”, vinca a APSL em comunicado enviado às redações.

 

Ler mais
Relacionadas

Marques Mendes antevê o regresso do “pântano” político após 2019

“O Governo minoritário do PS é a solução mais provável. Um governo minoritário à Guterres”, explicou o comentador. Um governo minoritário sem apoio parlamentar é instável, precário e transitório, defendeu.

Fenprof desafia professores para concentração em Lisboa durante negociações com Governo

O desafio foi lançado pelo secretário-geral, Mário Nogueira, no encerramento do encontro internacional sobre o desgaste dos professores, iniciativa da Fenprof que decorreu em Lisboa.

Mais de 80% dos professores querem reforma antecipada

Durante os meses de fevereiro e março, cerca de 19 mil professores responderam a um questionário com mais de 100 perguntas que resultou no “Inquérito Nacional sobre as Condições de Vida e Trabalho na Educação em Portugal”, hoje apresentado em Lisboa.

Maioria dos professores queria suspender greve mas proposta do Governo fê-los recuar

Quase 70% dos professores estavam dispostos a suspender a greve caso fossem retomadas as negociações, segundo os resultados do inquérito levado a cabo por dez organizações sindicais que, em quatro dias, conseguiram recolher a opinião de mais de 50 mil docentes.
Recomendadas

Governo abre 85 vagas para estágios profissionais destinadas a jovens até 29 anos

Estas vagas destinam-se aos chamados jovens “nem-nem” (nem estudam, nem trabalham). As candidaturas estão abertas até às 18h00 do dia 30 de setembro.

Oito portugueses entre os vencedores do maior programa universitário de inovação digital da Europa

O European Innovation Academy é o maior programa universitário de aceleração em Inovação Digital da Europa. A terceira edição realizou-se entre os dias 14 de julho e 2 de agosto. Há oito portugueses entre os vencedores, com projetos que vão desde apoio a invisuais e a crianças com doenças crónicas até bicicletas com airbaigs.

Martin Kern: “Uma economia não se mede apenas pelo número de unicórnios”

Em entrevista ao Jornal Económico, o diretor do Instituto Europeu da Inovação e da Tecnologia refere que o aumento orçamental proposto pela Comissão Europeia para os próximos anos pode beneficiar as startups e as atividades de investigação em Portugal.
Comentários