Professores universitários contratados sem salário

Conselho Científico da Universidade do Porto aprovou a contratação de 40 docentes não remunerados, em outubro. Na Nova de Lisboa, investigadores dão aulas e não são pagos para lecionar.

Em 2014, havia 176 casos de docentes nas universidades públicas portuguesas que lecionavam unidades curriculares sem remuneração. A notícia é avançada pelo “Jornal de Notícias”, esta quarta-feira.

Ao que o JN apurou, a Faculdade de Medicina da Universidade do Porto contratou três assistentes convidados, no mês de outubro, e há outros 37 professores de categorias superiores a dar aulas do mestrado integrado sem receber. António Pinhão Ferreira, ex-diretor do estabelecimento de ensino superior, diz que ficou “escandalizado” e que votou contra a decisão.

A justificação da universidade do Porto é que uma das normas da instituição indica que “podem ser contratados, sem remuneração (…) professores convidados ou assistentes convidados…), ou professores catedráticos ou associados aposentados ou jubilados”.

Em Lisboa, a situação repete-se. Na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas existem quase 40 unidades curriculares que estão a ser dadas por investigadores, “pagos” através de bolsas de doutoramentos, de pós-doutoramentos ou ao abrigo de outros centros.

A universidade garante ao diário que todas as cadeiras por eles asseguradas são aprovadas a pedido dos próprios. De acordo com a Nova, o serviço docente é “exclusivamente” assegurado por docentes ou investigadores remunerados. No entanto, existem cadeiras “não remuneradas”, criadas porque eles pediram, que “não são necessárias para o funcionamento dos ciclos de estudos”.

O Sindicato Nacional do Ensino Superior alerta para o aumento do trabalho sem salário e o ministério da Ciência e Ensino Superior respondeu ao jornal com a garantia de que este ano foi aprovado um novo regime legal de apoio ao emprego científico e que o “combate à precariedade do emprego científico é uma das preocupações do Governo”.

 

Ler mais
Recomendadas

Vistos gold: Investimento captado mais do que triplicou em julho para 98,2 milhões de euros

O investimento captado através dos vistos ‘gold’ mais do que triplicou (aumentou 276%) em julho, face ao período homólogo de 2018, para 98,2 milhões de euros, segundo contas feitas pela Lusa com base nos dados estatísticos do SEF.

Número de viciados em jogo online aumentou mais de 8% em Portugal

No espaço de seis meses, 38.600 pessoas pediram para ser impedidas de jogar online, mais 3.200 pessoas face a 2018, uma subida de 8,3%.

Avião de carga aterrou de emergência no aeroporto do Porto  

Um avião de carga com dois tripulantes fez hoje uma “aterragem de emergência” em segurança no aeroporto do Porto devido a um “problema no motor”, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.
Comentários