Projecto da Madeira avalia sustentabilidade dos agrossistemas em novos cenários climáticos

A ideia do projecto passa por ensaiar e desenvolver metodologia e tecnologia para diminuir o impacto das alterações climáticas sobre o sector agrícola.

Campus da Universidade da Madeira, Penteada, Funchal

O projecto chama-se CASBio, é desenvolvido pelo Banco de Germosplasma ISOPlexis, foi aprovado pelo programa operacional Madeira 14-20, e tem por objetivo “caracterizar e monitorizar” a sustentabilidade dos agrossistemas nos novos cenários climáticos.

Até 2020, o projecto vai desenvolver trabalhos que pretendem “caracterizar e monitorizar” agrossistemas sob “diferentes condições agroecológicas” fazendo-se depois a uma avaliação da adaptação desses sistemas a diferentes condições ambientais.

A ideia passa por “ensaiar e desenvolver metodologias e tecnologias” para promover “a segurança alimentar e a sustentabilidade” e diminuir o impacto das alterações globais sobre o sector agrícola.

Outro objectivo do projecto passa pela “internacionalização da investigação” de modo a aumentar o conhecimento em sector de relevo para a estratégia CLIMA.

 

Recomendadas

PremiumO Vinho Madeira que passa de geração em geração desde 1850

O maior desafio do Vinho Madeira é aumentar a produção das castas nobres Sercial, Verdelho, Boal, Malvasia e Terrantez, e diminuir a produção da Tinta Negra, “que já é excessiva”, diz Pereira de Oliveira.

PremiumDireito ainda está “fora de questão” mas “poderia reter” estudantes na região

Para já, não está em cima da mesa a criação de uma licenciatura em Direito na UMa, mas o reitor José Carmo diz que o curso tem procura local.

PremiumO valor do patrocínio num evento como o Rali Vinho Madeira

O Rali Vinho Madeira é um evento que ao longo dos anos tem atraído milhares às estradas madeirenses. Mas nem só de público vive esta prova de desporto motorizado. O patrocínio é outras das vertentes que sustenta e ajuda a levar cada edição a bom porto. Entre os patrocinadores estão marcas e empresas como a MEO e o BPI.
Comentários