PSD acusa Câmara de Matosinhos de gastar um milhão e festivais privados

O PSD de Matosinhos acusou hoje a Câmara de “falta de vergonha e transparência” devido ao “esbanjamento de recursos públicos” registado com o apoio de um milhão de euros a dois festivais “organizados por privados”.

Cristina Bernardo

“A Câmara não pode dar a dois eventos lucrativos, organizados por privados que visam o lucro, quase um milhão de euros. É demais”, conclui em comunicado o presidente da concelhia social-democrata, Bruno Pereira, referindo-se aos apoios da autarquia ao ” EDP Beach Party” e ao “Tributo a Nelson Mandela”, ambos realizados este mês.

Por isso, o PSD “demarca-se do esbanjamento de recursos públicos que resultam de impostos pagos pelos matosinhenses”, nomeadamente porque a maioria que lidera a autarquia, presidida pela socialista Luísa Salgueiro, “recusa baixar o IMI ou o IRS” no concelho de Matosinhos, distrito do Porto.

Os social-democratas reconhecem a importância da realização daqueles festivais e admitem ter “apoiado, votando favoravelmente, as propostas de isenção de taxas para a realização destes eventos e a concessão de apoios aos promotores destas e de outras iniciativas similares”. “Contudo, tudo deve ter limites ou tudo tem de ser feito de forma transparente, com conta peso e medida”, defendem.

Para o PSD, “tal não aconteceu este verão, pois no caso do EDP Beach Party e do Tributo a Nelson Mandela esses limites foram largamente ultrapassados”. “Os apoios da Câmara a estas duas iniciativas totalizam quase um milhão de euros: 176 mil euros a título de isenção de taxas e 125 mil euros de subsídio, no caso da Beach Party, e 306 mil euros a título de isenção de taxas e 250 mil euros de subsídio, no caso do Tributo a Nelson Mandela”, descrevem.

Segundo o PSD, “a estes valores acrescem apoios logísticos, nomeadamente: cedência de grades, de equipamentos, montagens e desmontagens, cujos valores não são de conhecimento público”. A concelhia aponta ainda o dedo ao facto de as duas iniciativas serem organizadas “por empresas privadas, que visam o lucro” e que angariaram, com os eventos, 1,8 milhões de euros e 1,6 milhões, respetivamente, “apenas com a receita de bilheteira”.

O PSD alerta que a autarquia “celebrou ainda um protocolo com a empresa que organizou o evento em que esta se compromete a entregar parte das receitas a três instituições de solidariedade de Matosinhos”.
“Só que não se sabe que parte das receitas vai ser entregue nem quem escolheu, como escolheu e porque foram escolhidas estas três instituições”, lamenta o PSD, pedindo que se divulgue “quanto foi entregue, exatamente, a cada uma das instituições”.

A Lusa tentou, sem sucesso, obter uma reação da autarquia a estas críticas.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários