PSD lamenta desaparecimento de ex-ministro Calvão da Silva

João Calvão da Silva, professor universitário de Coimbra e antigo governante, morreu nesta terça-feira, vítima de doença prolongada. Foi dirigente nacional e distrital do PSD.

O líder do PSD lamenta “profundamente” o desaparecimento de Calvão da Silva, que presidiu ao Conselho de Jurisdição Nacional do PSD até ao último congresso do partido, tinha 66 anos.

“O Presidente do PSD, Rui Rio, expressa as mais profundas condolências pelo falecimento do professor João Calvão da Silva, em seu nome pessoal e em nome do Partido Social Democrata”, reage o PSD em comunicado.

João Calvão da Silva desempenhou diversos cargos no PSD, destacando-se pela sua  militância ativa e defesa das causas nacionais.

Foi deputado à Assembleia da República, eleito pelo círculo de Coimbra, entre 1995 e 1999.

Desempenhou funções como Secretário de Estado Adjunto de Carlos Mota Pinto, então vice-primeiro-ministro, entre 1983 e 1985. E mais recentemente como ministro da Administração Interna, em 2015, no segundo governo de Passos Coelho. Presidiu ainda ao Conselho de Jurisdição Nacional do PSD.

Na sua vida académica, destacou-se no círculo de Coimbra. Era professor catedrático da Universidade de Coimbra, desde 2003.

Calvão da Silva faleceu, esta terça-feira, aos 66 anos, vítima de doença prolongada.

O corpo ficará em câmara ardente na Capela da Universidade de Coimbra, a partir das 15h00. O funeral realiza-se amanhã, pelas 15h00.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários