PSD quer que Uber e Cabify paguem taxa de 5% para operar

Será hoje discutida no parlamento a proposta dos sociais-democratas para regular o transporte de passageiros em veículos descaracterizados utilizado pelas plataformas eletrónicas.

Kai Pfaffenbach/Reuters

O PSD leva ao Parlamento esta quarta-feira uma proposta para regular o transportes de passageiros em transportes descaracterizados, como os da plataforma Uber e Cabify.

Os sociais-democratas pretendem que os veículos utilizados pelas plataformas electrónicas paguem uma taxa de 5%.

“Pagamento de uma taxa, que visa compensar os custos administrativos de regulação e acompanhamento das respetivas atividades e estimular o cumprimento dos objetivos nacionais em matéria de mobilidade urbana”, justifica a proposta de lei apresentada pelo grupo parlamentar do PSD.

Consta da proposta que os trabalhadores não podem exceder o tempo de trabalho em “mais de dez horas dentro de um período de 24 horas, independentemente do número de plataformas” para as quais preste serviços.

A proposta visa, ainda, a proibição dos veículos recolherem passageiros junto a praça de táxis.

Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários