PSD: Rio diz que vitória nas europeias está “ao alcance” e desvaloriza “marketing” do CDS

Questionado sobre se manterá a aposta no atual líder da delegação do PSD ao Parlamento Europeu, Paulo Rangel, o presidente social-democrata disse que já pensou sobre o assunto, mas que é cedo demais para se pronunciar.

O presidente do PSD considera que a vitória nas europeias “está ao alcance” dos sociais-democratas e desvalorizou a ambição do CDS-PP de se assumir como principal partido de centro-direita, o que classificou como “marketing” natural.

“Aspiramos todos a ganhar. Agora, enfim, o CDS faz o seu marketing e fez o seu marketing no Congresso. Mal fora se fizesse o contrário, se o CDS saísse do Congresso a dizer que nas próximas [eleições] quer descer um bocadinho. Claro que querem sempre subir, isso é o papel que cada um de nós tem que fazer”, disse.

Em entrevista à Agência Lusa, esta quinta-feira, em Bruxelas, antes de participar pela primeira vez numa reunião do Partido Popular Europeu – família política à qual pertencem PSD e CDS-PP, que nas próximas eleições europeias de maio de 2019 concorrerão separados e não em aliança -, Rui Rio sublinhou que ainda falta muito tempo, mas admitiu que já pensou sobre o cabeça-de-lista e nomes a apresentar e garantiu que o objetivo é bater o PS.

Questionado sobre se manterá a aposta no atual líder da delegação do PSD ao Parlamento Europeu, Paulo Rangel, o presidente social-democrata disse que já pensou sobre o assunto, mas que é cedo demais para se pronunciar.

“Pensar, pensei. Divulgar, não divulguei. A seu tempo as coisas serão divulgadas. Não é meu estilo andar a fazer as coisas com uma grande antecedência para conseguir uma noticia maior. Não, as coisas têm o seu momento, estamos ainda a mais de um ano, no tempo certo assim o faremos”, afirmou.

Certo, apontou, é que o PSD partirá para as eleições europeias com ambição, suportada pelas recentes sondagens, apesar de estas “valerem o que valem”.

“É um lugar comum dizer que as sondagens valem o que valem e eu percebo o que isso quer dizer e eu que o diga: ganhei três eleições no Porto, nas duas primeiras sempre atrás nas sondagens, e na primeira então tive 40 e tal por cento e as sondagens davam-me 19, portanto é mesmo ‘valem o que valem’. Mas, quando todas indicam no mesmo sentido, nós podemos ter uma ideia da evolução, não mais do que isso, mas da evolução”, referiu, destacando que a evolução das mais recentes consultas aponta para “o melhor resultado [do PSD] desde 2015”.

“Está ao nosso alcance poder ganhar as eleições europeias, isso para mim está claro. A diferença relativamente ao Partido Socialista nas últimas eleições europeias não foi uma coisa muito grande. Aliás, lembro-me que o próprio doutor António Costa referiu que foi uma vitória por ‘poucochinho’. Portanto, está ao nosso alcance poder ganhar as eleições europeias”, disse.

Rui Rio acrescentou ainda que, “depois das eleições europeias”, há que “procurar ganhar naturalmente as eleições legislativas”, o que admitiu ser “mais difícil”, apesar de nada ser “impossível”, até porque “em política, ano e meio é uma eternidade”.

“Se me disserem que é muito curto para reformar o partido, para preparar a alternativa em termos teóricos, em termos programáticos, se era melhor ter mais tempo? Era. O tempo chega, mas era melhor ter mais tempo. Mas, por outro lado, pode ser uma eternidade. Às vezes no espaço de uma semana tudo muda, e, portanto, está tudo em aberto, como é evidente”, concluiu.

Ler mais
Relacionadas

PSD: Rio lamenta “desproporção brutal” que levou à demissão de Barreiras Duarte

“Houve uma desproporção brutal e, portanto, a última coisa que eu tenho a fazer é aumentar a desproporção. Portanto, o problema está resolvido, ponto final parágrafo”, disse o presidente do PSD.

Montenegro nega teorias da conspiração para atingir liderança do PSD

O antigo líder bancada do PSD considera que “houve algum ruído” com a demissão de Feliciano Barreiras Duarte do cargo de secretário-geral do partido, mas esta “não será trágica” para o futuro.

Fim do bónus nas Reformas Antecipadas junta BE e PCP ao PSD e CDS no pedido de explicações ao Governo

O Governo decidiu eliminar o corte de 14,5% do chamado factor de sustentabilidade, que faz depender o valor da reforma da esperança média de vida, para trabalhadores com contribuições muito longas. Mas em contrapartida, acabou também com as bonificações concedidas a estas reformas pelos anos a mais de trabalho.

José Silvano: “Aceitei o cargo para ganhar as próximas eleições legislativas, europeias e regionais”

Num encontro com jornalistas, na sede nacional do PSD, o novo secretário-geral do PSD garantiu que terá “respeito por todos e por todas as convicções”, mas – destacou – “como bom transmontano”, também não terá medo de nada, nem de ninguém.
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários