PSI 20 fecha no verde com ganhos do BCP e Jerónimo Martins na última sessão de 2016

O PSI-20 fechou a última sessão do ano em terreno positivo, em linha com as principais praças europeias. BCP e Jerónimo Martins foram as responsáveis pelo bom resultado global.

Reuters / Issei Kato

O PSI20 encerrou a última sessão de 2016, esta sexta-feira, com ganhos de 0,23% para os 4.679,20 pontos, impulsionado pelas ações do BCP e da Jerónimo Martins.

O banco presidido por Nuno Amado subiu 2% para 1,071 euros, depois de na sessão de ontem ter registado um novo mínimo histórico de 1,02 euros, desde a fusão de títulos em outubro. Já a Jerónimo Martins valorizou 1,38% para 14,74 euros, numa sessão que ficou marcada também pelo sentimento positivo no setor do retalho, com a Sonae a somar 0,46%.

A impulsionar os ganhos estiveram ainda os títulos da EDP Renováveis (1,55%), a REN (0,37%) e o BPI (0,27%).

A contrariar a tendência, a EDP fechou a última sessão do ano a cair 1,06%, assim como a Galp que recua 0,11%.

Esta sexta-feira, registou-se um novo mínimo histórico nas ações do Montepio, que bateram no fundo com uma desvalorização a atingir os 41,9 cêntimos. Ainda assim, encerraram a sessão inalteradas, a valer 42,1 cêntimos.

O principal índice português fecha, assim, dezembro com um total de ganhos acumulados de 5,04%, depois de no mês anterior ter registado uma queda de 4,24%.

As principais praças europeias fecharam em tendência positiva, com o DAX alemão a somar 0,26%, o CAC francês a ganhar 0,49%, o espanhol IBEX a subir 0,19% e a praça britânica Footsie a fechar com ganhos de 0,32%, tendo esta sexta-feira atingido um novo máximo histórico.

No mercado cambial, o euro sobe 0,44% para 1,0533 dólares com a libra esterlina a somar também 0,57% para 1,2334 dólares.

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários