PSI 20 recua com Jerónimo Martins a cair quase 5%

O principal índice português está a desvalorizar 1,04% para os 5.411,19 pontos, seguindo a tendência europeia. Ontem, Wall Street teve o pior mês de 2016.

Reuters/Lucas Jackson

O principal índice português, PSI 20, está esta quinta-feira, 1 de março, a desvalorizar 1,04% para os 5.411,19 pontos. A reagir aos números divulgados ontem, Jerónimo Martins lidera as perdas, ao mergulhar 4,63%, para 16,2700 euros. Na quarta-feira, a retalhista anunciou que os resultados líquidos consolidados do grupo caíram 35% no ano passado, face a 2016, para 385 milhões de euros, penalizados pelo efeito da venda da Monterroio, em 2016.

“Os resultados confirmaram o momento muito positivo para as vendas com um aumento de 11.3% em termos homólogos para 16.276 milhões em 2017 (valores já divulgados em meados de janeiro). Contudo, a rentabilidade foi penalizada por uma descida de cerca de 20 pontos na margem EBITDA consolidada para perto de 5.7%, ainda que com um aumento de cerca de 5pts na margem EBITDA da Biedronka em 2017 (para 7.3%)”, destacam os analistas do CaixaBI.

A ‘vermelho’ estão também as ações da Mota-Engil, a segunda que mais desvaloriza (-2,13% para 3,915 euros), da Semapa (-0,94%), da Sonae Capital (-0,58%), da Sonae (-0,17%), da Corticeira Amorim (-0,78%), da Navigator (-1,18%), estando a Novabase sem alterações significativas. A Atri (-1,18%), o BCP (-0,81%), a Navigator (-1,44%), a Galp (-0,37%), a NOS (-0,47%) e a Pharol (-0,43%) estão igualmente a cair.

Por outro lado, a EDP, que apresenta hoje os resultados relativos a 2017, depois do fecho da bolsa, está a subir 0,11% para 2,7560 euros. O mesmo banco de investimento antecipa que os lucros da energética terão subido para 1,3 milhões com a venda da Naturgas e Portgás. Além da empresa liderada por António Mexia, a negociar com ganhos estão apenas as cotadas REN, que valoriza 0,08% para 2,4760 euros e a Ibersol, que sobe 0,43% para 0,11% para 2,7560 euros. Os títulos da REN estarão mais ‘defensivos’ devido à decisão de avançar para tribunal para impugnar o pagamento da Contribuição Extraordinária do Setor Energético (CESE).

Nas praças europeias, os mercados também estão a desvalorizar. O alemão DAX perde 0,56%, o francês CAC 40 desvaloriza 0,33%, o espanhol IBEX 35 cai 0,52%, o britânico FTSE 100 recua 0,34%, o italiano FTSE MIB diminui também 0,32% e o holandês AEX desaprecia 0,60%. No mercado petrolífero, o brent sobe 0,12% para os 64,81 dólares por barril e o crude WTI permanece pouco alterado (+0,03%) para os 61,66 dólares. No mercado cambial, o euro está em ‘linha de água’ (-0,01%) para 1,2193 dólares e a libra ‘ganha’ 0,01% para 1,3761 dólares. “Há uma tendência decrescente na Europa. O setor exportador em Portugal sai penalizado. O que está em jogo para as (próximas horas ou dias é a queda do euro-dólar, que poderá atingir um ponto técnico de figura gráfica de duplo topo”, afirma Steven Santos, analista do banco BIG, ao Jornal Económico.

Notícia aualizada às 9h38

Ler mais

Relacionadas

Bolsa portuguesa arranca a perder em linha com a Europa

O principal índice português, PSI 20 abriu a desvalorizar 0,34% para os 5.449,35 pontos. A reagir aos números divulgados ontem, Jerónimo Martins lidera as perdas, ao mergulhar 3,19% para 16,5150 euros.

Wall Street fecha em queda e fevereiro é já o pior mês desde 2016

O Dow Jones, no mês, perdeu mais de 1.000 pontos dos 26.149 pontos em que encerrou janeiro, uma queda de 4,3%. O S&P 500 deslizou 1,11% hoje e acumula uma queda de 3,9% este ano. Assim, ambos os índices encerraram seu pior mês desde janeiro de 2016.

Bolsas europeias em queda, Lisboa inalterada apesar dos ganhos dos CTT e BCP

O gestor do BiG, Steven Santos, explica que “o PSI 20 liderou hoje os mercados acionistas europeus, tendo sido impulsionado pelo comportamento do BCP, que subiu em contraciclo com o setor europeu da banca”.
Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.
Comentários