PSI20 fecha em vermelho vivo

O principal índice da bolsa portuguesa (PSI20) encerrou a sessão de hoje a perder 3,21% para 4.916,61 pontos, com todas as cotadas em terreno negativo e acumulando perdas significativas, num dia misto na Europa. As 18 empresas que integram atualmente o PSI20 fecharam todas a desvalorizar, com quedas entre os 0,19% da Jerónimo Martins e […]

O principal índice da bolsa portuguesa (PSI20) encerrou a sessão de hoje a perder 3,21% para 4.916,61 pontos, com todas as cotadas em terreno negativo e acumulando perdas significativas, num dia misto na Europa.

As 18 empresas que integram atualmente o PSI20 fecharam todas a desvalorizar, com quedas entre os 0,19% da Jerónimo Martins e os 7,67% da Impresa.

O grupo de comunicação social liderou as descidas ao recuar quase 8% para 0,831 euros, seguido pelo BCP, que caiu 6,85% para 0,0775 euros e pelo Banif e pelos CTT, que baixaram ambos 6,06% para 0,0062 euros e 6,56 euros, respetivamente.

A REN desvalorizou quase 6% para 2,35 euros, enquanto a Sonae e a Teixeira Duarte perderam mais de 5% para 0,942 euros e 0,70 euros.

A Portucel regrediu 4,39% para 2,701 euros e depois houve um lote de 6 empresas que perderam mais de 3%: Mota-Engil (3,672 euros), Portugal Telecom (1,335 euros), Banco BPI (1,353 euros), EDP Renováveis (4,934 euros), Semapa (8,468 euros) e Galp (10,76 euros).

Já a NOS e a Altri recuaram mais de 2% para 4,269 euros e 1,971 euros, respetivamente.

Os pesos pesados EDP e Jerónimo Martins também fecharam no vermelho, com perdas respetivas de 1,80% para 3,164 euros e 0,19% para 8,005 euros.

No resto da Europa, entre as praças de referência, Londres perdeu 0,25%, Paris recuou 0,54% e Madrid regrediu 1,51%, enquanto Frankfurt subiu 0,13%.

Ler mais

Recomendadas

PSI 20 acompanha Europa em alta. Títulos do Grupo EDP impulsionam praça nacional

O principal índice bolsista português soma 0,46%, para 4.855,54 pontos.

Abrandamento da economia poderá ser entrave para Moody’s igualar as pares na avaliação de Portugal

A Moody’s tem agendada uma avaliação à notação da dívida soberana portuguesa esta sexta-feira. A agência poderá querer alinhar-se com a S&P e a Fitch através de uma subida de um grau para ‘Baa2’, mas as incertezas que estão a esfriar o crescimento da economia global poderão ser motivo para manter o ‘status quo’.

Acalmia cambial trouxe bons resultados em Wall Street

O índice tecnológico S&P, .SPL.RCT, que inclui empresas que têm uma maior exposição ao mercado chinês e estiveram no centro das vendas registadas na segunda-feira, foi aquele que mais valorizou nesta sessão, com um crescimento de 1,61%.