Quais as economias mais inovadoras do mundo? China a subir, Portugal a descer

Além da líder Suíça, nos dez primeiros lugares estão Holanda, Suécia, Reino Unido, Singapura, Estados Unidos, Finlândia, Dinamarca, Alemanha e Irlanda.

A China entrou este ano no “top 20” das economias mais inovadoras do mundo, uma lista com 126 países liderada pela Suíça e onde Portugal surge em 32.º lugar, um abaixo do conseguido no ano passado.

A lista é construída com base no Índice Global de Inovação, que é publicado anualmente pela universidade de Cornell, a Organização Mundial da Propriedade Intelectual e outros parceiros.

Além da líder Suíça, nos dez primeiros lugares estão Holanda, Suécia, Reino Unido, Singapura, Estados Unidos, Finlândia, Dinamarca, Alemanha e Irlanda.

Para construir a lista analisa-se o desempenho de cada país em 80 indicadores, desde os registos de propriedade intelectual aos gastos com a educação, publicações científicas e tecnológicas ou número de aplicações móveis criadas.

A China subiu cinco posições e entrou para o 17.º lugar pelo que está a fazer na investigação e na presença de tecnologia e desenvolvimento criativo na economia.

No relatório hoje divulgado apontam-se ainda áreas geográficas onde há mais inovação concentrada, encontrando-se as melhores em Tóquio-Yokohama, no Japão, e Shenzhen-Hong Kong, na China.

Os Estados Unidos são o país com mais destas áreas, com 26 no total.

Na apresentação do índice destaca-se que há países fortes em inovação apesar dos baixos níveis de desenvolvimento, seis dos quais países africanos subsaarianos e cinco da Europa de Leste.

Onze das 20 economias mais inovadoras são da Europa, continente que detém os três primeiros lugares da lista, incluindo o país que há oito anos lidera a lista, que é dos maiores investidores mundiais em investigação e desenvolvimento.

Com a maior economia da América do Sul, o Brasil sobe cinco posições para o 64.º lugar do Índice este ano, com notas positivas em gastos com investigação e desenvolvimento, qualidade de publicações científicas e universidades, sobretudo as de São Paulo, Campinas e Federal do Rio de Janeiro.

Moçambique é o outro país lusófono no Índice, surgindo este ano no lugar 115, perdendo oito posições em relação a 2017.

Ler mais
Recomendadas

“Que Deus abençoe a memória daqueles em Toledo”. Trump engana-se no nome da cidade do massacre no Ohio

O presidente norte-americano referiu-se referiu a Toledo, e não a Dayton, nas suas observações sobre um dos recentes massacres onde morreram nove pessoas e outras 27 ficaram feridas.

A “Casa de Papel” na vida real: Assalto à Casa da Moeda do México leva dos cofres 50 milhões em menos de 4 minutos

Os assaltantes conseguiram desarmar um guarda e furar todas as barreiras de segurança até chegarem ao cofre de segurança, que estaria aberto. Em menos de quatro minutos, o grupo de homens roubou e fugiu do edifício sem que a polícia tivesse sequer chegado.

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.
Comentários