Quando os políticos perdem a cabeça: Cobarde! Manso! Barão da droga! Não fala assim para mim!

Preto comparou Louçã a um agente do “barão da droga” Pablo Escobar. Martins chamou “cobarde” a Candal e avisou que “não voltas a falar assim comigo!” Soares não gostou do gesto a simular chifres de Pinho. Sócrates disse que “manso” era a tia de Louçã. Quando os políticos perdem a cabeça, as atas dos debates parlamentes transformam-se em literatura para adultos.

“O agente, em Portugal, do senhor Pablo Escobar”

12 de novembro de 2002. O então líder do BE e deputado Francisco Louçã critica o então presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Pedro Santana Lopes, por se ter comprometido com o empresário Stanley Ho “no negócio de instalação de um casino” em Lisboa. Na resposta, o deputado António Preto, do PSD, traça uma analogia com Pablo Escobar, o famigerado “barão da droga” colombiano.

 

Francisco Louçã: Considerando que o presidente da Câmara de Lisboa está a apelar a sucessivas intervenções para um conflito com o Presidente da República, por via da apresentação de uma proposta de lei ou da aprovação de um futuro decreto-lei, talvez fosse altura de, com esta votação, a maioria poder significar que há outras vias que não propriamente a da criação do casino e que há outras vias para o presidente da Câmara que não propriamente a de envolver o Parlamento num conflito em que tudo acaba por resumir-se a este triste negócio privado entre Pedro Santana Lopes e Stanley Ho.

António Preto: Senhor presidente, a hora já vai adiantada, não posso deixar passar em claro a ignomínia que é a de ligar ao senhor Stanley Ho esta solução para a cidade de Lisboa, solução que é moderna e um sinal claro para toda a cidade desse sentido de modernidade, isto é, ligar a decisão do senhor presidente da Câmara a um negócio com o senhor Stanley Ho. Sei, por exemplo, que o senhor deputado Francisco Louçã é defensor da liberalização pelo menos das drogas leves, mas não me passa pela cabeça dizer que ele é o agente, em Portugal, do senhor Pablo Escobar, porque fazê-lo seria uma ignomínia de todo o tamanho idêntica à que ele cometeu.

[…]

Francisco Louçã: Quanto ao senhor Pablo Escobar, devo dizer-lhe que ele é um fornecedor de cocaína e não de drogas leves e que, de qualquer modo, já morreu. Portanto, seria muito difícil fazer qualquer acordo com o senhor Pablo Escobar. Em qualquer caso, confirmando-lhe a sua pior suspeita de que sou um defensor da legalização das drogas leves, digo-lhe que a JSD também e nunca o vi, num congresso do seu partido, anunciar que a JSD negociava com o senhor Pablo Escobar. Portanto, isso vale o que vale, senhor deputado.

 

____________________________________________________________

 

“Cobardia! Falta de vergonha!”

5 de março de 2009. No decurso de um debate sobre energias renováveis, mais especificamente sobre painéis solares, os deputados Afonso Candal (PS) e José Eduardo Martins (PSD) entraram em despique, por causa de uma insinuação. Visivelmente descontrolado, Martins chegou a ameaçar Candal de violência física e terá mesmo proferido vários insultos. Na ata ficou registada uma versão contida do sucedido.

 

Afonso Candal: Senhor deputado José Eduardo Martins, sei que a sua preocupação são os contribuintes. Eu sei, eu sei que, piamente, esses são os seus interesses. São os contribuintes…

José Eduardo Martins: Quer insinuar alguma coisa? Diga!

Afonso Candal: Mas, já agora, deixaremos essas suas preocupações profundas para outra altura, sobre esta ou outras matérias.

José Eduardo Martins: Diga lá! Diga! Não seja cobarde! Cobardia! Falta de vergonha!

Afonso Candal: O que está aqui em causa é tentar criar, na área da energia solar, aquilo que já hoje é um dado adquirido na área eólica. É criar não só uma vantagem em termos de consumo de energias alternativas, em Portugal, como já acontece com a eólica e com a hídrica, também com a solar, mas também desenvolver ilustres industriais como há há para a eólica e também para a hídrica, também na área solar…

José Eduardo Martins: Diga lá! Diga! Falta de vergonha!

[…]

José Eduardo Martins: Não voltas a falar assim comigo! Da próxima vez que falares assim comigo…

 

____________________________________________________________

 

“Não fala assim para mim! Pensa que está a falar com quem?”

2 de julho de 2009. Em pleno debate do Estado da Nação, o primeiro-ministro José Sócrates respondia ao deputado Francisco Louçã, que lhe perguntara se “há algum mineiro a trabalhar, hoje, na mina em Aljustrel”. Sócrates sublinhou que “este Governo bateu-se por que as minas de Aljustrel continuassem abertas” e garantiu que “neste momento há 200 pessoas a trabalhar”. A meio da intervenção do primeiro-ministro, furioso com um aparte do deputado comunista Bernardino Soares, o ministro da Economia e da Inovação, Manuel Pinho, como que perde a cabeça. Seria demitido nesse mesmo dia.

 

José Sócrates: O emprego e o futuro daquelas pessoas são importantes demais para os usarmos apenas como arma de arremesso político…

Bernardino Soares: O senhor ministro da Economia até lá foi levar o cheque da EDP ao clube desportivo!

“Neste momento registam-se protestos do ministro da Economia e da Inovação, Manuel Pinho, que, com os dedos indicadores na cabeça, faz um gesto a simular chifres”. [transcrição a partir da ata do debate]

Bernardino Soares: Está a falar com quem? Não fala assim para mim! Pensa que está a falar com quem?

 

____________________________________________________________

 

“Manso é a tua tia, pá!”

16 de abril de 2010. O deputado Francisco Louçã questiona insistentemente o primeiro-ministro José Sócrates sobre “os bónus dos gestores” da EDP, mais concretamente “os três milhões de euros de bónus” para António Mexia, presidente executivo da EDP, e respetivo salário. Em pelo menos dois momentos, o debate entre Louçã e Sócrates azeda, no limiar do insulto.

 

José Sócrates: O que, realmente, acho desonesto, do ponto de vista intelectual, é que o senhor deputado pretenda associar ao PS aquela que é uma decisão do presidente da Assembleia-Geral da EDP, que não tem nada a ver com o PS. É a isso que eu chamo ‘malícia intelectual’, que o senhor deputado usa sempre e que, sinceramente, não é bem-vinda ao saudável debate político.

Francisco Louçã: Senhor presidente, senhor primeiro-ministro, consigo nós já sabemos a regra: “Não há festa nem festança sem a dona Constança!” Não há nenhum debate que se faça neste Parlamento em que, perante diferenças políticas legítimas e importantes, o senhor primeiro-ministro não utilize definições de carácter e eu não lhe aceito acusações de desonestidade, não lhe ficam bem! Um primeiro-ministro não perde a cabeça num debate!

[…]

Francisco Louçã: Senhor presidente, senhores deputados, senhor primeiro-ministro, eu vejo que, de intervenção em intervenção, vai ficando um pouco mais manso e vai tentando requalificar e justificar sempre sobre as suas próprias acusações…

José Sócrates: Manso é a tua tia, pá!

Francisco Louçã: Mas, senhor primeiro-ministro, os portugueses sabem o que é que quer dizer desonestidade, sabem o que quer dizer desonestidade! Portanto, não baixe o nível, porque não é assim que deve ser o debate na Assembleia da República, o debate no Parlamento e no país é sobre políticas e respostas…

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários