Petróleo cai “abruptamente” mas não além dos 70 dólares

Os preços do barril de petróleo podem facilmente descer até aos 70 dólares, mas a longo prazo devem manter-se acima dos 80 dólares devido ao crescimento da procura mundial, considera a agência de notação financeira Moody’s. Num Comentário Especial ao setor do Oil & Gas, os analistas explicam que “como a procura de petróleo vai […]

Os preços do barril de petróleo podem facilmente descer até aos 70 dólares, mas a longo prazo devem manter-se acima dos 80 dólares devido ao crescimento da procura mundial, considera a agência de notação financeira Moody’s.

Num Comentário Especial ao setor do Oil & Gas, os analistas explicam que “como a procura de petróleo vai continuar a crescer, a recente queda abrupta do preço do petróleo não deve ser seguido de uma forte descida no preço a longo prazo”.

De acordo com a análise, com o título “Empresas de Perfuração e Serviços são as mais vulneráveis à queda dos preços do petróleo”, a recente descida dos preços do petróleo, que caíram 25% desde junho e 5% nas últimas duas semanas, deve-se ao aumento da produção nos EUA, ao fortalecimento do dólar e à posição da Arábia Saudita, o maior produtor mundial.

“Não é de todo um choque que os preços do petróleo tenham caído por causa do aumento da oferta”, diz Steve Wood, diretor executivo da Moody’s, reconhecendo, ainda assim, que “a forte queda da última semana foi surpreendente e pode ser atribuída às expetativas de menor crescimento da procura na China e na Europa e, ao mesmo tempo, ao facto de a Arábia Saudita ter ameaçado defender a queota de mercado em vez de agir como o produtor fiel da balança da OPEP e do mundo”.

Ao contrário de outras situações em que a produção supera as necessidades, desta vez alguns dos maiores produtores, como a Arábia Saudita, resolveram baixar os preços em vez de reduzir a produção, numa luta explícita pelo aumento da quota de mercado, principalmente na Ásia, e num contexto de mudança de paradigma no setor petrolífero.

 

OJE/Lusa

Ler mais
Recomendadas

“Que Deus abençoe a memória daqueles em Toledo”. Trump engana-se no nome da cidade do massacre no Ohio

O presidente norte-americano referiu-se referiu a Toledo, e não a Dayton, nas suas observações sobre um dos recentes massacres onde morreram nove pessoas e outras 27 ficaram feridas.

A “Casa de Papel” na vida real: Assalto à Casa da Moeda do México leva dos cofres 50 milhões em menos de 4 minutos

Os assaltantes conseguiram desarmar um guarda e furar todas as barreiras de segurança até chegarem ao cofre de segurança, que estaria aberto. Em menos de quatro minutos, o grupo de homens roubou e fugiu do edifício sem que a polícia tivesse sequer chegado.

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.