Quem detém a dívida pública portuguesa?

Os investidores privados detém 174 mil milhões de euros dos 240 mil milhões de euros em dívida pública portuguesa. O sistema financeiro português – bancos e seguradoras – tem cerca de 53,5 mil milhões de euros.

A dívida pública portuguesa ascende a 240 mil milhões de euros, segundo os últimos dados disponíveis. Este valor corresponde a cerca de 130% do Produto Interno Bruto (PIB) e, segundo o estudo “Que Caminhos para a Dívida Pública Portuguesa”, apresentado esta segunda-feira, está estruturada da seguinte forma:

  • 174 mil milhões de euros são títulos de dívida maioritariamente detidos por privados, sendo que 140 milhões estão nas mãos de institucionais estrangeiros e nacionais (incluindo os bancos, as seguradoras e a segurança social portuguesa), bem como pelo BCE e Banco de Portugal;
  • 15 mil milhões estão em dívida de curto prazo, através de Bilhetes do Tesouro;
  • A poupança de particulares representa 25 mil milhões de euros.
  • A restante dívida é detida pelos instrumentos europeus e pelo FMI.

 

QUEM DETÉM A DÍVIDA PÚBLICA PORTUGUESA:

(Valores em milhões de euros)

Institucionais sem possibilidade de ‘haircut’:

FMI: 16.500

BCE/BdP: 34.000

Investidores nacionais:

Particulares: 25.000

Sistema financeiro português: 53.500

Segurança Social: cerca de 8.000

Outros Investidores:

Instrumentos Europeus: 51.600

Investidores Estrangeiros: 51.500

Ler mais
Relacionadas

Economistas propõem “solução sustentável” para a dívida portuguesa

Economistas da Plataforma de Crescimento Sustentável, liderada por Moreira da Silva, defendem que será possível reduzir a dívida pública dos actuais 130% para menos de 100% do PIB, em 10 a 15 anos, através de uma combinação de saldos primários na ordem dos 3% do PIB com um crescimento nominal acima dos 3%. E rejeitam “soluções milagrosas” para a dívida, como um ‘haircut’ que, garantem, teria consequências “calamitosas”.

“Haircut teria consequências calamitosas”

“Uma solução com ‘haircut’ não seria impossível [de fazer] mas teria custos elevadíssimos, extraordinários, para Portugal”, defendeu Joaquim Miranda Sarmento, numa conversa com jornalistas para apresentar um estudo da Plataforma para o Crescimento Sustentável sobre a dívida portuguesa.

‘Eurobonds’ permitiriam poupança de 900 milhões por ano

Os autores do estudo estimam que as poupanças para a República seriam de 0,5% do PIB, ou seja, na ordem dos 900 milhões de euros, assumindo que as condições de financiamento do país se mantém e que o financiamento do futuro tesouro europeu será feito em condições semelhantes às do ESM.
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários