Quem saiu está a enviar menos dinheiro para Portugal

As verbas que os trabalhadores portugueses no estrangeiro enviaram para Portugal em agosto desceram 2,1% em relação ao período homólogo do ano passado, enquanto as remessas dos imigrantes em Portugal desceram 6,6%. Em agosto deste ano as remessas dos emigrantes atingiram 231,7 milhões de euros, enquanto as dos imigrantes atingiram 47,7 milhões, segundo dados do […]

As verbas que os trabalhadores portugueses no estrangeiro enviaram para Portugal em agosto desceram 2,1% em relação ao período homólogo do ano passado, enquanto as remessas dos imigrantes em Portugal desceram 6,6%.

Em agosto deste ano as remessas dos emigrantes atingiram 231,7 milhões de euros, enquanto as dos imigrantes atingiram 47,7 milhões, segundo dados do Banco de Portugal.

Os trabalhadores portugueses no Brasil enviaram 2,52 milhões de euros em agosto, o que representa uma subida de 133% face a agosto do ano anterior, quando tinham enviado 1,08 milhões de euros.

O maior valor, no entanto, continua a ser enviado pelos trabalhadores lusos na Suíça e em França, que enviaram 63,1 e 56,6 milhões de euros, respetivamente, o que representa um aumento de 28,5%, no caso suíço, e uma descida de 8,5%, no caso francês.

Em sentido inverso, os brasileiros a trabalhar em Portugal são os que mais enviam dinheiro para o seu país de origem: 21,6 milhões de euros, praticamente o mesmo que em agosto do ano passado, mês em que enviaram 22,8 milhões.

No que diz respeito aos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, há descidas quer no dinheiro enviado quer recebido: os trabalhadores portugueses em África enviaram para Portugal 23,4 milhões de euros, revelando uma descida de 12,9% face aos 26,8 milhões enviados em agosto de 2013.

Os africanos em Portugal, por seu turno, enviaram 3,55 milhões de euros, representando uma descida de 23,3% face aos4,6 milhões enviados no mesmo mês do ano passado.

 

OJE/Lusa

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?