Quem são os investidores chineses que estão em Portugal?

Como bem sabemos, os chineses têm investido em grande escala em Portugal ao longo dos últimos três anos. Com a aquisição de grandes participações ao Estado português por parte da China Three Gorges, a Rede Nacional de Energia da China e Fosun, que investiram na EDP, REN e Caixa Seguros respetivamente, o dinheiro chinês representa […]

Como bem sabemos, os chineses têm investido em grande escala em Portugal ao longo dos últimos três anos. Com a aquisição de grandes participações ao Estado português por parte da China Three Gorges, a Rede Nacional de Energia da China e Fosun, que investiram na EDP, REN e Caixa Seguros respetivamente, o dinheiro chinês representa quase 50% do recente programa de privatizações.
No setor imobiliário, a CBRE tem trabalhado com investidores chineses numa base diária desde agosto de 2013, quando vendemos a um comprador individual de Hong Kong uma pequena fração de escritórios que fazia parte de um edifício de escritórios em Lisboa. A intenção do proprietário era vender todas as frações individuais existentes no edifício. O nosso comprador de Hong Kong foi o primeiro comprador chinês para o Golden Visa a fazer uma oferta ao vendedor. Após nove meses, todas as frações foram vendidas a compradores chineses para Golden Visa.
Desde aí, temos assistido a uma onda de investimento imobiliário chinês em Portugal, como é frequentemente reportado pelo governo e pela imprensa. Ainda assim, parece que existe alguma confusão sobre quem são estes compradores e o que procuram. Neste momento, os investidores chineses podem ser divididos de modo geral em 4 categorias: Investidores Golden Visa, grandes fortunas pessoais ou “Family Offices”, grandes empresas ou consórcios e gestores de fundos.
Os investimentos para Golden Visa começaram principalmente em Lisboa e agora estes investidores estão a comprar em zonas como o Algarve, Tróia e Setúbal. O programa deverá ter atraído mil milhões de euros de vendas até ao final deste ano, com 90% do investimento em imobiliário e sendo 80% dos compradores chineses.
Existem entre 5 e 10 fortes compradores privados que estão ativos no mercado, sendo que três estão particularmente ativos nos setores de escritórios e promoção residencial em Lisboa. É neste último setor que neste momento se observa maior atividade. Até à data, a CBRE concluiu vendas no valor total de 60 milhões de euros. No final do presente ano esperamos alcançar um volume de vendas de 80 milhões de euros.
Recentemente observámos um despertar do interesse de grandes grupos chineses, que irão promover projetos mais ambiciosos e de elevadas dimensões.
Os gestores de fundos chineses também emergiram como fonte de capital, que procura oportunidades para investir o dinheiro dos seus clientes nos setores de escritórios e residencial.
Em suma, o interesse Chinês em Portugal como um mercado alvo de investimento ainda está numa fase de crescimento intenso e parece que assim continuará no próximo ano, quando provavelmente se verificará que os records do volume de investimento foram novamente ultrapassados.

Tim Seconde

Diretor Associado de Investimento da CBRE

Recomendadas

Três Dolce Vita colocados à venda por 15 milhões de euros

Em todos os casos, caso não hajam ofertas superiores ao valor mínimo, serão admitidas propostas mais baixas.

Savills fica responsável pela gestão do edifício Atlas III

Atlas III, em Miraflores, é o mais recente empreendimento sob a gestão da Savills.

Dona da Comporta estuda “projeto estratégico” a preços acessíveis no Parque das Nações

A Vanguard Properties quer construir três prédios no total, com o valor do investimento a rondar os 30 a 35 milhões de euros.