Reduzir açúcar e calorias é o próximo passo da Coca-Cola

O excesso de açúcar pode ser a causa de doenças crónicas como diabetes e obesidade infantil. Por isto, e qualquer outro problema de saúde daqui proveniente, a marca norte-americana visa reduzir em 12%, entre 2017 e 2020, os açúcares aditivos.

A Coca-Cola Iberia vai proceder à redução ou eliminação de açúcar nas suas bebidas. Segundo relata o espanhol El Confidencial, na origem da sua decisão está a preocupação dos seus consumidores face à saúde e o facto das bebidas ‘zero’ e ‘light’ sem adição de açúcar aumentarem os rendimentos da marca.

Segundo a empresa norte-americana, em Espanha, a venda das bebidas sem açúcar pertencentes ao portfólio da Coca-Cola representam 38%, considerando que a Coca-Cola Zero aumentou em 12% as suas vendas, ao contrário da Coca-Cola original, que apresenta um crescimento menor.

O excesso de açúcar pode ser a causa de doenças crónicas como diabetes e obesidade infantil. Por isto, e qualquer outro problema de saúde daqui proveniente, a marca assume os princípios da Organização Mundial de Saúde (OMS) que, em 2003, recomendou o limite do consumo de açúcares adicionados a 10% da ingestão total.

Desde o ano 2000, que a Coca-Cola já reduziu 38% dos açúcares e prevê que entre 2017 e 2020 reduza ainda mais 12%. A empresa destaca ainda que bebidas como Fanta, Sprite e Powerade já reduziram os açúcares em mais de 30%, nos últimos anos.

Outra novidade, que pertence à nova estratégia da norte-americana, passa pela nova rotulagem mais clara e pelos novos tamanhos das latas, que vão passar a ser menores, albergando apenas 25cl de bebida. A marca prevê a distribuição de 36 milhões de latas no mercado, mas não avançou preços.

Recomendadas

O Jornal Económico num minuto

O Jornal Económico desta semana já está disponível nas bancas de todo o país e na plataforma JE Leitor, para os nossos assinantes digitais.

“Falar Direito”: Veja o programa desta semana

O programa de advocacia do Jornal Económico, “Falar Direito”, recebe nesta edição João Pereira da Cruz, sócio do escritório J. Pereira da Cruz e Agente Oficial da Propriedade Industrial, que comenta o novo Código de PI, o que ainda falta fazer e as tendências mundiais no registo de patentes.

Governo afirma que atribuição de pensões vai ser mais rápida

No ano passado, a Segurança Social processou 50 milhões de pensões e prestações sociais. Cláudia Joaquim refere que a teve ‘luz verde’ a legislação para evitar que, quem fica à espera da pensão durante vários meses e depois recebe todos os montantes em atraso de uma só vez, seja penalizado em sede de IRS.
Comentários