Reino Unido: funcionários públicos vão ter maior aumento salarial em 10 anos

Os militares vão receber um aumento de 2%, os funcionários prisionais de 2,75% e os professores de 3,5%, muito acima do limite de aumentos de 1% em vigor desde 2013.

Peter Nicholls/REUTERS

O governo britânico anunciou hoje os maiores aumentos salariais no setor público em 10 anos, medida que vai beneficiar quase um milhão de funcionários, incluindo professores, militares, médicos e guardas prisionais.

Segundo o governo conservador britânico, os aumentos, os mais significativos desde a crise financeira de 2008, que levou a cortes da despesa pública e a medidas de austeridade, vão sair dos orçamentos de cada um dos respetivos ministérios, de modo a evitar um aumento do défice anual.

Os militares vão receber um aumento de 2%, os funcionários prisionais de 2,75% e os professores de 3,5%, muito acima do limite de aumentos de 1% em vigor desde 2013.

Estes aumentos surgem depois de anos de campanhas sindicais contra os cortes e a deterioração das condições laborais no setor público.

A medida deverá custar cerca de 4 mil milhões de euros e o governo espera incentivar sobretudo as profissões ligadas ao ensino e à medicina.

“Trata-se do mais importante aumento salarial em perto de 10 anos”, sublinhou a secretária de Estado do Tesouro, Liz Truss, perante os deputados.

O líder trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, já afirmou que os aumentos anunciados estão abaixo da inflação e como não estão apoiados por dinheiro público adicional “envolvem cortes noutras áreas dos ministérios afetados”.

Ler mais
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários