Relatório da direção de energia admite risco de parte do país ficar sem gás

A DGEG admite a possibilidade de parte do país ficar sem gás durante algum tempo, devendo a situação de défice começar já a partir deste ano. O risco de corte no abastecimento será sobretudo preocupante a partir de 2024.

Um relatório da Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG) mostram que Portugal enfrenta um risco de corte no abastecimento de gás natural caso o terminal de importação de gás de Sines fique indisponível. A DGEG admite a possibilidade de parte do país ficar sem gás durante algum tempo, devendo a situação de défice começar já a partir deste ano, avança o jornal “Expresso”.

Os testes de stress feitos pela DGEG indicam que a procura de gás natural deve crescer 2,6% ao ano entre 2017 e 2030, em comparação com ao crescimento médio anual de 2,1% do cenário central. As simulações feitas pela DGEG prevêem que, em determinadas circunstâncias, o critério de segurança previsto nos regulamentos europeus pode ser posto em causa.

A capacidade de resposta pode vir a ser posta em causa já a partir deste ano, devendo os défices tornar-se ainda mais preocupantes a partir de 2024. Esses défices resultam da ocorrência simultânea de duas situações: uma falha do terminal de gás liquefeito de Sines e um aumento considerável do consumo de gás natural.

A DGEG indica que os “défices de capacidade no período 2018-2023 não são suficientes para se considerar que haja riscos para a segurança do abastecimento do SNGN [Sistema Nacional de Gás Natural]”. “A partir de 2024 verifica-se que o défice de capacidade atinge cerca de 10% da ponta extrema de consumo e cerca de 20% em 2030, pelo que será necessário equacionar medidas que permitam mitigar esta situação e reduzir o risco para a segurança do abastecimento”, acrescenta.

Relacionadas

Familías estão a pagar 103 euros a mais no gás natural

Deco avisa para a taxa de ocupação do subsolo estar a ser refletida de forma indevida nas faturas há 18 meses e estima que desde janeiro de 2017, estejam a ser “cobrados abusiva e indevidamente” 3,25 milhões de euros por mês aos consumidores.
Recomendadas

Indústria Alimentar: o caminho da digitalização

No contexto da Indústria Alimentar, as organizações para se adaptarem necessitam de investir, e, atualmente, as tecnologias digitais chave passam pela: Robótica, Serviços móveis, Tecnologia Cloud, Internet-of-Things, Cibersegurança, Big Data e Analítica avançada, Impressão 3D, Inteligência Artificial e Social Media. Os consumidores, também eles cada vez mais nativos digitais, ditam tendências e as indústrias adaptam-se, quer […]

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.

Procrastinação ou a coragem de mudar

É preciso saber e decidir sem vacilar. Caso contrário, faremos parte das fotos guardadas no baú. Para mais tarde recordar.
Comentários