Relatório das secretas indica que extrema-direita regressou em força a Portugal

À semelhança de outros países europeus, a fração radical tem endurecido o seu discurso com a fenómeno migratório a a crise dos refugiados.

Balint Porneczi/Bloomberg

O Relatório Anual de Segurança Interna (RASI), apresentado esta quarta-feira pelo Conselho Superior de Segurança Interna (CSSI), indica que os movimentos ligados à extrema-direita regressaram em força a Portugal, no ano passado. À semelhança de outros países europeus, a fração radical tem endurecido o seu discurso com a fenómeno migratório a a crise dos refugiados, avança o jornal “Diário de Notícias”.

O relatório das secretas surge poucos dias depois dos incidentes que envolveram dois grupos de motards, um deles liderado pelo ex-líder skinhead Mário Machado, o Los Bandidos. O motards Hell Angels, históricos rivais de Los Bandidos, invadiram no passado sábado à tarde o restaurante “Brasa do Prior”, em Loures, munidos de facas, paus e barras de ferro, e começaram a atacar o grupo rival.

Os espiões do SIS indicam que a extrema-direita intensificou os contactos internacionais e os “extremistas desenvolveram um esforço de convergência dos seus diferentes setores (identitários, nacional-socialistas, skinheads), no sentido de promoverem, no plano político e metapolítico, os seus objetivos”. Segundo as secretas, os radicais de direita continuam a lutar pela “reconquista da Europa pelos europeus”.

“A violência permaneceu como um traço marcante da militância de extrema-direita, havendo registo de alguns incidentes, nomeadamente agressões a militantes antifascistas”, lê-se no relatório. “No seio do movimento skinhead neonazi, alguns militantes continuaram envolvidos em atividades criminosas extra militância”.

O RASI dá conta de que a criminalidade violenta caiu 8,7%, em comparação com o ano anterior, representando atualmente apenas 4,4% dos crimes totais registados pelas autoridades.

Recomendadas

Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

Estado não cumpre pagamentos de indemnizações por falta de dotação orçamental

Estado devia ter pago 18 milhões de euros em indemnizações mas só pagou pouco mais de sete mil euros, no final de 2018, por decisões na Justiça. Relatório revelou que dotação orçamental é insuficiente para cumprir com os pagamentos das indemnizações.

Tribunais afastaram 64 políticos e gestores em oito anos

Em 2012 e 2013 verificou-se o maior número de perdas de mandato (seis) e destituições (cinco), escreve o JN.
Comentários