REN aumenta lucros em 25,7% para 125,9 milhões de euros em 2017

A dívida líquida da REN ascendeu, no final de 2017, a 2.756,2 milhões de euros, mais 11,2% face a 2016, o que justifica com a aquisição da chilena Electrogas, por 169,3 milhões de euros, e da Portgás, a empresa de distribuição de gás natural que pertencia à EDP, por 530,3 milhões de euros.

A REN – Redes Energéticas Nacionais teve lucros de 125,9 milhões de euros em 2017, mais 25,7% do que os obtidos em 2016, divulgou hoje em comunicado ao mercado.

Segundo a empresa, “a melhoria do resultado líquido foi sustentada pelo resultado financeiro, que atingiu -61,2 milhões de euros (23,3%), em linha com a tendência de descida do custo médio da dívida (2,5%, versus 3,2% em 2016)”.

A dívida líquida da REN ascendeu, no final de 2017, a 2.756,2 milhões de euros, mais 11,2% face a 2016, o que justifica com a aquisição da chilena Electrogas, por 169,3 milhões de euros, e da Portgás, a empresa de distribuição de gás natural que pertencia à EDP, por 530,3 milhões de euros.

Já o EBITDA (resultados antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) cresceu 2,4% em 2017 para 487,5 milhões de euros, segundo a empresa, beneficiando da “consolidação de três meses da Portgás (8,9 milhões de euros ao nível operacional), assim como dos resultados da Electrogas (7,2 milhões de euros)”.

Ainda assim, acrescenta, os resultados EBITDA foram atenuados pela operação de aumento de capital, feita em dezembro, no valor de 250 milhões de euros.

Nas contas divulgadas através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a REN volta a queixar-se da contribuição sobre o setor energético, referindo que os seus resultados “têm sido penalizados pelo pagamento, desde 2014, do imposto extraordinário sobre o sector energético, que já ultrapassou 100 milhões de euros” e que elevou a “taxa efetiva do imposto para 38,4%, em 2017”.

A REN tem como acionista maioritário a chinesa State Grid, com 25% do capital social.

Ler mais
Relacionadas

Energia & Água: conhece os seus direitos enquanto consumidor?

Os serviços de energia e água são considerados serviços públicos essenciais, por serem vitais ao dia-a-dia dos cidadãos. Por esse motivo, a sua prestação está sujeita a um conjunto de regras especiais que visam proteger os consumidores. Sabe quais são?

Sonae valoriza 5% e o PSI 20 fecha em terreno positivo

A retalhista apresentou lucros de 166 milhões de euros em 2017 e anunciou um investimento de 105 milhões de euros em inovação. A Bolsa de Lisboa seguiu a tendência europeia de ganhos.
Recomendadas

Como a Indústria 4.0 pode ajudar a criar a fábrica do futuro

A fábrica do futuro é o centro de uma cadeia de distribuição que combina clientes, fornecedores, distribuidores e parceiros com sistemas analíticos avançados. Isso pode levar a uma “produção perfeita” com o mínimo de tempo de inatividade, negligência, desperdício e ineficiência.

Sustentabilidade no investimento: menos risco, mais valor

Reduzir a quantidade de plásticos descartáveis ou viajar de comboio são duas formas de reduzir a nossa pegada ecológica. E no investimento, o que podemos fazer para reforçar a sustentabilidade?
Comentários