Rendas excessivas no setor elétrico custarão 390 euros a cada português, em média

Rendas excessivas elevam o custo da electricidade para os portugueses. O processo de investigação, instaurado em 2012, conta com 9 arguidos, avança o Correio da Manhã.

Os portugueses têm de pagar um total de 3,9 mil milhões de euros de custos de eletricidade, entre 2000 e 2020, devido a rendas excessivas, noticia o “Correio da Manhã”, na edição desta quarta-feira. O jornal acrescenta que isto representa um custo de 390 euros por pessoa, no prazo de duas décadas.

Dos 3,9 mil milhões de euros referidos, um pouco mais da metade, cerca de 2,1 mil milhões de euros, dizem respeito aos contratos dos Custos para Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC). A informação consta no estudo encomendado pelo governo de Pedro Passos Coelho, em 2012, à Universidade de Cambridge.

A investigação às rendas excessivas no setor da electricidade foi aberta em 2012 e está a ser conduzida pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). O processo tem 9 arguidos, entre eles o ex-ministro da Economia Manuel Pinho, o presidente-executivo da EDP, António Mexia, o presidente da EDP Renováveis, João Manso Neto, e o ex-presidente da REN Rui Cartaxo.

Relacionadas

Governo falha prazo para corte nos CMEC da EDP e não explica porquê

A ERSE propôs uma revisão dos CMEC da EDP que possibilitaria aliviar a fatura dos consumidores em mais de 500 milhões de euros. O Governo comprometeu-se com um prazo de revisão, mas não cumpriu. O BE questiona porquê e não obtém resposta.

Ascenso Simões: “O Presidente da República não manda em mim”

Ascenso Simões defende a taxação do setor das energias renováveis e critica o que diz ser o “veto inconstitucional” à lei do financiamento dos partidos.

Bloco quer saber se Governo cumpre com corte nas rendas da EDP

Deputado Jorge Costa confronta Governo com promessa de corte nos Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC), que chegou a estar agendado para outubro de 2017. Em causa estão 500 milhões de euros, propostos pela ERSE.
Recomendadas

Justiça arquiva investigação à Yupido, a startup portuguesa com capital social de 29 mil milhões

Yupido captou a atenção da comunicação social em setembro de 2017, após o economista Carlos Pinto ter divulgado nas redes sociais o capital social desta startup tecnológica. Até ao dia de hoje, a Yupido nada produziu, nem regista atividade pública. O revisor oficial de contas que avaliou o capital da empresa foi suspenso dois anos.

Estado não cumpre pagamentos de indemnizações por falta de dotação orçamental

Estado devia ter pago 18 milhões de euros em indemnizações mas só pagou pouco mais de sete mil euros, no final de 2018, por decisões na Justiça. Relatório revelou que dotação orçamental é insuficiente para cumprir com os pagamentos das indemnizações.

Tribunais afastaram 64 políticos e gestores em oito anos

Em 2012 e 2013 verificou-se o maior número de perdas de mandato (seis) e destituições (cinco), escreve o JN.
Comentários