Requalificação do IP3 vai custar 134 milhões de euros e terminará em 2022

As obras de renovação da estrada que liga Coimbra a Viseu já arrancaram e só ficarão concluídas no final de 2022.

As obras de requalificação do Itinerário Principal 3 (IP3) vão custar 134 milhões de euros e ficarão concluídas em 2022, referem as edições desta segunda-feira do “Público” e “Jornal de Negócios”.

Segundo o projeto da Infraestruturas de Portugal, a que o diário do grupo Sonae teve acesso, cerca de 3% do traçado do ‘renovado’ IP3 vai manter o perfil de uma via em cada sentido e constituir uma espécie de tampão no fluxo de trafego (na zona de Livraria do Mondego).

“Esta será também uma estrada inteligente que passará a ter um sistema de Wi-Fi e tecnologia 5G para que gradualmente com a capacidade dos veículos possa ser estabelecido um sistema de comunicação entre a infraestrutura e os veículos e as pessoas possam receber alertas em tempo real” sobre acidentes e problemas de circulação”, afirmou esta manhã à “TSF” o ministro das Infraestruturas, Pedro Marques.

No início deste ano, o ministro da Administração Interna assegurou que renovação da estrada que liga Coimbra a Viseu era uma prioridade o Executivo português, “apesar da má negociação do Portugal 2020”. “Houve um Governo anterior que disse em Bruxelas que as prioridades não eram estradas e tinham mesmo a prioridade negativa. Eu não fiz parte desse Governo”, afirmou Eduardo Cabrita, aos jornalistas.

Relacionadas

Bloco de Esquerda congratula-se com requalificação do IP3 entre Coimbra e Viseu

O Bloco de Esquerda (BE) congratulou-se hoje com “a opção política tomada pelo Governo de requalificar o IP3” entre Coimbra e Viseu, mas lamentou que a execução da intervenção, que é urgente, se prolongue por quatro anos.

PCP quer saber datas e verbas envolvidas na requalificação do IP3

As direções regionais do PCP de Coimbra e Viseu consideraram hoje que a requalificação do IP3 anunciada recentemente pelo Governo carece do estabelecimento de datas, definição de verbas e de prazos para a execução das obras.
Recomendadas

‘Nova Expo’ em Pedrouços com eventos e sem torres, garante Governo

Ministério de Ana Paula Vitorino nega que o ‘Ocean Campus’, com um investimento previsto de 300 milhões de euros até 2030, vá comprometer a realização de eventos como o ‘NOS Alive’ ou o ‘Comic Con’.

Terminal do Barreiro vai influenciar custos de construção e manutenção de navegabilidade no Tejo

Na hipótese mais onerosa, se se reunissem diversos cenários, de acordo com o estudo hoje apresentado publicamente, estes projetos de navegabilidade no rio Tejo poderiam custar à APL mais de 230 milhões de euros.

Porto de Lisboa coordena transporte de dois reservatórios para a Central de Cervejas

Com 1.400 litros de volume e 40 toneladas cada um, os reservatórios destinam-se a aumentar a capacidade de produção da fábrica de cerveja de Vialonga da Central de Cervejas.
Comentários