Ricardo Reis: “Escolas de negócios são um exemplo que devia orientar mais setores da economia”

No geral, as escolas portuguesas melhoraram a qualidade do produto e atraíram mais e melhores estudantes. São um exemplo a seguir, diz este professor da London School of Economics.

Português de Leça da Palmeira, estudou na London School of Economics, Inglaterra, em 1999, e em Harvard, EUA onde se doutorou em 2004. Já lecionou nas Universidades de Princeton e da Columbia, Atualmente, é professor no departamento de Economia da London School of Economics onde ocupa a cátedra A. W. Phillips in Macroeconomics. Investigador associado do Centre for Economic Policy Research, do Centre for Macroeconomics e do CESifo, é consultor regular em vários bancos centrais. Edita o Journal of Monetary Economics.

Do ângulo de observação privilegiado que é Londres, onde se localizam algumas das mais conceituadas escolas de negócios da Europa, como vê as escolas de negócios portuguesas e a sua oferta em matéria de MBA?
As escolas de negócios portuguesas tiveram um progresso extraordinário nos últimos 20 anos. Desde as mais conceituadas internacionalmente, às que servem primordialmente o mercado nacional, quase todas melhoraram muito a qualidade do produto que oferecem e conseguiram atrair mais e melhores alunos. São um exemplo que devia orientar muitos mais setores da economia portuguesa: Deixem as instituições em paz em termos de regulação nacional e forcem-nas a competir no mercado externo que os resultados são excelentes e os melhores veem ao de cima.

Como todas as escolas de negócio pela Europa, os grandes desafios são a concorrência feroz e permanente, a redução na procura de MBAs substituídos pelos mestrados de um ano, e a redução na procura por disciplinas em finanças em relação às outras disciplinas nas escolas de negócios. Mas, são problemas comuns a todas as escolas do continente.

Relacionadas

MBA de dois anos perdem terreno para cursos mais curtos

Independentemente de quem vença o duelo dos rankings este ano, o caminho parece trilhado. As novas gerações não se mostram adeptas de ‘experiências’ tão profundamente demoradas como os tradicionais programas de dois anos.
Recomendadas

Governo abre 85 vagas para estágios profissionais destinadas a jovens até 29 anos

Estas vagas destinam-se aos chamados jovens “nem-nem” (nem estudam, nem trabalham). As candidaturas estão abertas até às 18h00 do dia 30 de setembro.

Oito portugueses entre os vencedores do maior programa universitário de inovação digital da Europa

O European Innovation Academy é o maior programa universitário de aceleração em Inovação Digital da Europa. A terceira edição realizou-se entre os dias 14 de julho e 2 de agosto. Há oito portugueses entre os vencedores, com projetos que vão desde apoio a invisuais e a crianças com doenças crónicas até bicicletas com airbaigs.

Martin Kern: “Uma economia não se mede apenas pelo número de unicórnios”

Em entrevista ao Jornal Económico, o diretor do Instituto Europeu da Inovação e da Tecnologia refere que o aumento orçamental proposto pela Comissão Europeia para os próximos anos pode beneficiar as startups e as atividades de investigação em Portugal.
Comentários