Rio antecipa concordância do PSD com alterações à legislação laboral acordadas

“Se os dois lados principais se entendem, nós temos uma enorme tendência a respeitar aquilo que lá foi acordado”, explicou.

O presidente do PSD, Rui Rio, antecipou esta quinta-feira a concordância do partido com as alterações à legislação laboral acordadas na quarta-feira em Concertação Social, considerando que um acordo entre entidades patronais e sindicatos “tem uma força muito grande”.

O Governo e os parceiros sociais, à exceção da CGTP, assinaram na quarta-feira um acordo na Concertação Social sobre as alterações à legislação laboral, tendo os jornalistas perguntado a Rui Rio – à saída de um encontro, em Lisboa, com a chanceler alemã, Angela Merkel – se o PSD iria viabilizar estas medidas quando a proposta de lei for a votação no parlamento, a 06 de julho.

“Eu ainda não estou em condições de ser perentório porque o acordo não é tão curto assim. Agora posso-lhe dizer uma coisa: um acordo que sai assinado, quer pelas entidades patronais, quer pelos sindicatos, designadamente neste caso a UGT, isto tem uma força muito grande”, começou por responder.

Segundo o presidente do PSD, a probabilidade de o partido concordar “com o acordo é muito, muito elevada” tendo em conta o respeito pela Concertação Social.

“Se os dois lados principais se entendem, nós temos uma enorme tendência a respeitar aquilo que lá foi acordado”, explicou.

De acordo com Rio, “pode haver um ponto ou outro” que o PSD possa vir a questionar, mas adiantou: “nós votamos pelas nossas convicções e a nossa convicção é que a Concertação Social é importante”.

“Se os principais parceiros da Concertação Social estão de acordo, para nós é um elemento muito, muito positivo e que merece todo nosso apreço e respeito”, insistiu.

À saída da reunião da Concertação Social, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, considerou ser “um bom acordo para o país” e manifestou-se “convicto” de que as alterações ao Código do Trabalho acordadas entre a maioria dos parceiros terão um “amplo consenso” no parlamento, onde a discussão está agendada para 06 de julho.

“Não foi um acordo fácil de atingir, dadas as matérias e os objetivos, mas creio que terá um impacto positivo na vida dos portugueses”, disse Vieira da Silva.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários